AP Photo/Jeff Chiu
AP Photo/Jeff Chiu

Integrante mais velha do Senado americano anuncia que tentará quinto mandato

Dianne Feinstein, de 84 anos, garantiu no Twitter que se candidatará à reeleição em 2018 e disse que ‘há muito mais por fazer’

O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2017 | 15h09

WASHINGTON - A democrata da Califórnia Dianne Feinstein, de 84 anos, atualmente a integrante mais velha do Senado americano, anunciou nesta segunda-feira, 9, que se apresentará à reeleição em 2018.

+ Trump pode levar os EUA ‘a uma 3ª Guerra Mundial’, diz senador republicano

"Irei me candidatar à reeleição ao Senado", tuitou ela de uma conta que seu gabinete confirmou como verdadeira. "Há muito mais por fazer: acabar com a violência armada, combater a mudança climática, dar acesso ao atendimento médico. Estou nessa!", acrescentou.

+ Calibre de armas à venda é debatido após massacre em Las Vegas

Ela foi eleita pela primeira vez ao Senado em 1992, quando ela e Barbara Boxer se tornaram as primeiras mulheres senadoras pela Califórnia. Barbara se aposentou em janeiro.

Dianne é uma das oito pessoas na faixa dos 80 anos ainda em atividade no Senado americano. É três meses mais velha que o republicano Chuck Grassley e nove meses mais velha que o também republicano Orrin Hatch. Se ela ganhar em 2018, terá 91 anos ao fim de seu mandato no Congresso.

A veterana democrata teria se esquivado de perguntas sobre um possível quinto mandato, deixando seu partido no Estado mais povoado do país em dúvida sobre se deveria começar a coordenar uma possível substituição.

O controle de armas tem sido uma prioridade para Dianne desde que entrou no Congresso. Como parte dessa luta, introduziu na Câmara Alta um projeto de lei para proibir a venda e o uso dos "bump stocks" - mecanismo que aciona o gatilho com o recuo da arma para que siga disparando de forma contínua -, que foram usados no dia 1.º de outubro pelo aposentado Stephen Paddock, que disparou contra centenas de pessoas em um festival de música country em Las Vegas. Ele matou 58 pessoas e feriu mais de 500. / AFP

Reveja: Senado dos EUA aprova debater Obamacare

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.