Intelectuais árabes rejeitam "condições injustas" para o Hamas

Um grupo de intelectuais árabes pediu aos Governos do Oriente Médio que rejeitem o que denominam "condições injustas" fixadas como condição prévia do Quarteto, formado por Estados Unidos, Rússia, União Européia e ONU, para negociar com o Governo palestino do Hamas.Em um anúncio publicado neste domingo em vários jornais árabes, os pensadores pedem "aos filhos das nações árabes e islâmicas, e ao povo livre e honesto do mundo, que expressem sua rejeição às condições impostas sobre o Governo palestino eleito popularmente"."Também pedimos aos filhos das nações árabes e islâmicas que pressionem seus Governos para acabar com o embargo contra o povo palestino", acrescenta o anúncio.O Quarteto fixou uma série de condições que devem ser cumpridas pelo Hamas para que o Governo palestino seja aceito pela comunidade internacional.Entre essas exigências, está a de que o Hamas reconheça o Estado de Israel, respeite os acordos anteriores assinados entre Tel Aviv e a Autoridade Nacional Palestina e rejeite o uso da violência."Vemos nessas exigências uma tentativa de empurrar o Hamas e o Governo palestino a abandonar os direitos legítimos do povo palestino", acrescentam os intelectuais.Entre os participantes do anúncio figura Youssef Qaradawi, secretário-geral da Associação de Clérigos Muçulmanos, Tareq al-Bishri, um dos juízes mais destacados do Egito, e Salahedin Hafez, secretário-geral da União de Jornalistas Árabes.O anúncio aparece assinado por dezenas de pensadores de Egito, Jordânia, Arábia Saudita, Tunísia, Marrocos, Kuwait, Argélia e os territórios palestinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.