Intelectuais chineses pedem libertação de economista uigur

Ilham Tohti, crítico da atuação do governo central em Xinjiang, está desaparecido há uma semana

14 de julho de 2009 | 05h18

Mais de 100 escritores e intelectuais chineses assinaram, na segunda-feira, 13, um documento em que pedem a libertação de Ilham Tohti, um economista uigur residente em Pequim, que está desaparecido desaparecido já cerca de uma semana e aparentemente foi preso.

 

Veja também:

 

linkVeja fotos de Urumqi, capital da província de Xinjiang, na China

linkMais dois uigures são mortos

 

Tohti, de 39 anos, é um crítico severo da atuação do governo em relação aos problemas étnicos na região da província de Xinjiang, onde a vilência contra a minoria uigur explodiu nos últimos dias, em confrontos que deixaram 184 mortos e cerca de 1.700 feridos.

 

"O professor Ilham Tohti é um intelectual iugur que devotou sua vida à amizade entre os grupos étnicos e à erradicação dos conflitos entre eles e não deve ser tratado como um criminoso," diz o documento, que exige ainda informações claras sobre o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.