EFE/Cristian Hernández
EFE/Cristian Hernández

Intelectuais na França decidem romper com o chavismo

Tradicional revista francesa dedica edição ao fracasso da revolução bolivariana na Venezuela

Andrei Netto, correspondente / Correspondente, O Estado de S.Paulo

03 Abril 2018 | 05h00

A mais prestigiosa revista de esquerda da França, Les Temps Modernes, criada por Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir, rompeu com o chavismo e denunciou a escalada autoritária de Nicolás Maduro. Com o título “Venezuela – O País das Fraturas”, intelectuais escreveram sobre o fracasso do regime adotado por Hugo Chávez. A edição trimestral, de 304 páginas, explora o declínio econômico, o assédio ao Parlamento, o papel da oposição e o fracasso do modelo bolivariano.

Fundada em 1945, a revista é dirigida pelo jornalista, escritor e cineasta Claude Lanzmann, que sucedeu a Simone de Beauvoir no cargo. A edição traz 17 ensaios e entrevistas, a maior parte escrita por venezuelanos ligados a universidades da Europa. A introdução é da antropóloga Paula Vásquez Lezama, venezuelana e pesquisadora do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS). 

Na apresentação, ela informa que a revista aborda o desmoronamento do projeto político de Chávez, “que se tornou uma tragédia social, política, econômica e humana para a Venezuela”. Em seu texto, Lezama lembra a promessa de mudanças estruturais feita pela revolução bolivariana, que trouxe, no entanto, “resultados desastrosos para a população, em particular para a classes menos favorecidas”. 

Segundo ela, a queda dos preços do petróleo ajuda a explicar a decadência, mas está longe de ser a única razão. Entre 1999 e 2011, o preço do barril passou de US$ 16 a US$ 101, com um preço médio de US$ 49,3, o que catapultou a economia venezuelana. “Nenhum outro presidente da Venezuela se beneficiou de um boom de tal amplitude”, explica a pesquisadora. Essa situação, porém, não impediu a PDVSA, estatal do petróleo, de se tornar deficitária, com “um patrimônio obsoleto”. 

Lezama lembra que a produção não petrolífera foi desmantelada, abrindo o caminho para a escassez de comida, remédio e bens de consumo, com graves consequências “para setores da população mais vulneráveis”. “Nos últimos cinco anos, a Venezuela teve a inflação mais alta do mundo. E as previsões não são otimistas. O modelo econômico não capitalista fracassou tragicamente.”

+ Aliança opositora venezuelana decide não lançar candidato contra Maduro

A revista aborda ainda as expropriações, a regulação dos preços, a corrupção e a repressão à oposição. José Manuel Puente, do Instituto de Estudos Superiores de Administração (Iesa), de Caracas, escreve sobre a queda de 12% do PIB, em 2017, segundo o FMI. Luiz Gómez Calcaño, da Universidade Central da Venezuela, analisa a resistência política. “Desde sua derrota nas eleições legislativas de 2015, o regime perdeu sua legitimidade e caminha a passos largos para o autoritarismo”, escreveu. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.