AFP / MOLLY RILEY
AFP / MOLLY RILEY

Inteligência americana prevê que EI tentará atacar o país neste ano

Para diretor da Inteligência Nacional do EUA, jihadistas estão aproveitando fluxo de imigrantes para se infiltrar em vários países e mostram 'habilidade para fabricar passaportes falsos'

O Estado de S. Paulo

10 de fevereiro de 2016 | 12h05

WASHINGTON - O tenente-general Vincent Stewart, diretor da Agência de Inteligência de Defesa dos Estados Unidos, afirmou na terça-feira que o Estado Islâmico (EI) estaria planejado ataques terroristas contra o país neste ano.

"O Estado Islâmico, provavelmente, tentará realizar ataques adicionais na Europa e ataques diretos aos Estados Unidos em 2016", afirmou o militar, em pronunciamento no Congresso.

James Clapper, diretor da Inteligência Nacional, garantiu ao Comitê de Defesa do Senado americano, que o "Estado Islâmico está tirando vantagem do fluxo de imigrantes, para inserir integrantes entre os que estão se deslocando".

O representante do setor, ainda disse que, de maneira concreta, a organização terrorista se mostrou "bastante hábil para fabricar passaportes falsos, para que possam viajar como viajantes legais".

Segundo Clapper, apenas no ano passado, as autoridades de segurança detiveram "aproximadamente cinco dúzias" de pessoas em território americano, supostamente por relação com o EI.

"O êxito em ataques de extremistas violentos na Europa e América do Norte, como os de Chattanooga e San Bernardino, pode levar a outros replicarem ataques oportunistas com pouco ou, até, nenhum aviso, rebaixando nossa capacidade para detectar planos", afirmou.

No atentado mais recente, em San Bernardino, na Califórnia, em dezembro, os supostos seguidores do Estado Islâmico Syed Farook e Tashfeen Malik, atacaram um centro de assistência para deficientes, matando 14 pessoas e ferindo mais de 20.

Por fim, Clapper atualizou o número de combatentes estrangeiros nas fileiras do grupo jihadista, que chegou a 38,2 mil, sendo quase 7 mil procedentes de países ocidentais, que viajaram para a Síria a partir de 2012. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.