Inteligência dos EUA pinta quadro sombrio do Iraque

Especialistas americanos em inteligência traçaram um quadro sombrio do Iraque, dizendo em relatório obtido nesta sexta-feira que a violência sectária supera a ameaça da Al-Qaeda e alertando contra as conseqüências de uma rápida retirada das forças dos EUA.A Estimativa Nacional de Inteligência, à qual a Reuters teve acesso parcial, descreve uma situação séria, em que a violência entre os iraquianos é maior do que a provocada pela Al-Qaeda.De acordo com o texto, "o termo ´guerra civil´ não captura adequadamente a complexidade do conflito no Iraque; não obstante, o termo ´guerra civil´ descreve acuradamente os elementos-chave do conflito iraquiano".O governo dos EUA evita sistematicamente o termo "guerra civil", temendo que isso incentive os já insistentes pedidos para que o presidente George W. Bush retire as tropas do Iraque, ao invés de enviar mais 21,5 mil soldados, como está fazendo.O Irã - acusado pela Casa Branca de alimentar o derramamento de sangue - também é mencionado no documento, mas não é seu foco.Os trechos do relatório de 90 páginas vistos pela Reuters prevêem que a situação no Iraque vai se agravar se não houver esforços contra isso, o que corrobora o envio de mais tropas por parte de Bush.Para a maioria dos analistas, o reforço ao contingente prévio de 130 mil militares é a última oportunidade possível de evitar uma guerra civil plena entre xiitas e sunitas.O relatório diz que, se houvesse uma retirada rápida das forças norte-americanas, ocorreriam muitíssimas vítimas civis, países vizinhos, inclusive a Turquia, interviriam, o governo dificilmente sobreviveria como instituição não-sectária e a Al-Qaeda usaria partes do Iraque para planejar ataques dentro e fora do país.Dezenas de milhares de iraquianos e mais de 3.000 soldados dos EUA já morreram em quase quatro anos da ocupação que derrubou o regime de Saddam Hussein.As Estimativas Nacionais de Inteligência, usando dados de várias agências, são redigidas pelo Conselho Nacional de Inteligência.Texto e título atualizados às 18h16

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.