Intercâmbio comercial é o principal tema da pauta de Chirac no Brasil

O presidente francês, Jacques Chirac, pretende estreitar os laços políticos com o Brasil na viagem oficial desta semana, confirmando o compromisso com o multilateralismo e a solidariedade internacional, mas também vai se esforçar para promover um aumento no intercâmbio comercial. Além do Brasil, Chirac vai visitar o Chile, com uma agenda semelhante."É preciso ir aonde está o crescimento da economia mundial, nos grandes pólos de desenvolvimento, para mostrar o sucesso e a capacidade da França", disse o porta-voz do Palácio do Eliseu, Jerome Bonnafont, ao apresentar à imprensa o roteiro da viagem de quatro dias, que inclui. Brasil e Chile foram considerados exemplos na região.Acompanhado por cinco ministros, empresários e representantes do meio acadêmico e cultural, Chirac chega a Brasília na quarta-feira. Será a sua terceira viagem ao Brasil, que, segundo a França, é um interlocutor muito forte no diálogo político. Intensificar o comércioDepois de uma reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Chirac vai ser recebido no Congresso. Um dos objetivos da viagem é intensificar o intercâmbio comercial. A intenção é dobrar o comércio entre os dois países em 10 anos. Para os empresários franceses, existe um grande potencial de crescimento. As trocas com a França representam hoje 3,7% do comércio exterior do Brasil, que tem superávit na balança. É metade da fatia da Alemanha.As metas políticas também são importantes. Chirac defende uma cooperação "estratégica" com a modernização da economia e a luta contra a pobreza no Brasil. Ele e Lula vão discutir ainda o "esforço brasileiro para organizar" a coesão regional na América Latina e assumir "responsabilidades como potência" no mundo.Os principais acordos políticos que deverão ser assinados são um mecanismo de consultas políticas sobre os grandes temas e intercâmbios de funcionários para cooperação nas áreas de ensino, gestão florestal e pólos de competitividade. Os dois chefes de Estado também vão analisar os resultados dos grupos de trabalho criados na viagem de Lula a Paris, em 2005.O Haiti e o programa nuclear do Irã também estão na agenda, assim como as relações do Mercosul com a União Européia e as diferenças nas negociações agrícolas na Organização Mundial do Comércio. Chirac ficará no Brasil até sexta-feira, quando embarcará rumo ao Chile. Será a primeira visita de um presidente francês ao país desde a viagem de Charles de Gaulle, em 1964.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.