Internautas e mídia hostilizam falso suspeito

A divulgação da identidade do atirador que atacou a escola primária Sandy Hook, em Newtown, confundiu a imprensa americana e internautas que acompanhavam o caso em redes sociais. Quando as principais redes de TV dos EUA identificaram o suspeito com Ryan Lanza, fotos de um perfil no Facebook com esse nome começaram a ser compartilhadas nas redes sociais e por agências de notícia. Muitos internautas entraram na página e começaram a xingá-lo. Pouco tempo depois, o usuário - não se sabe se homônimo do irmão do verdadeiro suspeito, Adam Lanza - publicou uma série de comentários dizendo que não tinha envolvimento com o crime e estava trabalhando.

WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2012 | 02h03

As poucas fotos públicas que constavam em seu perfil foram compartilhadas milhares de vezes até que, no meio da tarde, ele foi desativado. No Twitter, um usuário identificado como @Ryan_Lanza, homônimo do irmão do suspeito, também foi hostilizado por internautas. Com mensagens de teor depreciativo em seu perfil, ele foi também erroneamente identificado como o atirador de Connecticut. Horas depois do crime, e com a confirmação da morte do suspeito, ele criticou a confusão.

"Aparentemente, estou sendo hostilizado porque alguém matou umas pessoas", escreveu Ryan em sua conta no Twitter. "Não matei ninguém, parem com isso, por favor." O homônimo acabou criando a hashtag #ryanlanzaerrado.

Grandes redes de TV, como a CNN e a agência de notícias Associated Press acabaram mudando a versão inicial com a confusão a respeito do nome do suspeito. De acordo com um policial que acompanha o caso, a confusão começou porque o nome do suspeito e da testemunha, que são irmãos, foram trocados no boletim de ocorrência. / REUTERS, AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.