Interpol debate recuperação de objetos iraquianos

A Interpol se reúne com especialistas em temas de arte e arqueologia para discutir formas de encontrar os objetos roubados dos museus iraquianos e que podem estar sendo negociados ilegalmente pelo mundo. Além dos especialistas, também curadores, policiais e funcionários governamentais se reunirão durante dois dias na sede da Interpol em Lyon (sudeste da França) para elaborar uma base de dados sobre os tesouros que foram removidos por saqueadores de museus e centros culturais do Iraque, durante a invasão liderada pelos EUA. A máxima prioridade da reunião será compilar uma lista digital de antigüidades roubadas que permita coordenar esforços para rastrear a arte iraquiana roubada. Participarão da reunião especialistas do Conselho Internacional de Museus, da Unesco - o organismo das Nações Unidas que trata dos temas culturais - e altos funcionários governamentais, entre eles o secretário de Justiça americano, John Ashcroft. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.