Facebook/AP
Facebook/AP

Interrogada pelo FBI, mulher de atirador de Orlando pode ser indiciada

Fonte policial disse que Noor Salman pode ser acusada criminalmente se houver indícios de alguma conduta imprópria de sua parte; segundo a fonte, ela conhecia os planos do ataque

O Estado de S. Paulo

15 Junho 2016 | 18h35

ORLANDO - Investigadores dos Estados Unidos interrogaram a mulher do atirador que matou 49 pessoas em uma boate gay de Orlando, disse a Polícia Federal dos EUA (FBI) nesta quarta-feira, 15, e uma fonte policial disse que ela pode ser acusada criminalmente se houver indícios de alguma conduta imprópria de sua parte.

A mulher de Omar Mateen, Noor Salman, sabia de seus planos para o que se tornou o pior ataque a tiros da história moderna do país, afirmou a fonte. "Com respeito à mulher, posso dizer a vocês (repórteres) que esse é somente um de muitos interrogatórios que fizemos e continuaremos a fazer nesta investigação", disse Ron Hopper, agente especial do FBI, em uma coletiva de imprensa. "Não posso comentar sobre o resultado dessa investigação."

O FBI quer saber de qualquer pessoa que teve contato ou informações sobre o atirador, afirmou Hopper.      

Em Washington, o massacre de domingo na Flórida rendeu novos debates sobre o acesso a armas no país depois que veio à tona a informação de que Mateen comprou legalmente um fuzil de assalto, embora o FBI o tenha investigado no passado em razão de suas possíveis ligações com grupos militantes islâmicos. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.