Intervenção francesa no Mali representa risco para 'novo' Hollande

Francês tem apoio de quase toda a classe política, mas começam a surgir perguntas sobre rumos de operação no país africano.

Hugh Schofield, BBC

14 de janeiro de 2013 | 20h51

Para o presidente François Hollande - e, na verdade, para toda a França -, tudo mudou nesta semana após a decisão de ir à guerra na África, e o mandatário se tornou um novo tipo de líder.

A crítica recorrente a Hollande sempre foi a de que ele é muito brando.

Mas a rapidez da ação contra os jihadistas no Mali - e o sinal verde para a fracassada missão de resgate na Somália - revelaram um homem capaz de tomar decisões corajosas e arriscadas.

Não pela primeira vez, uma intervenção no exterior ajudou a reinventar a imagem de um presidente que estava patinando nas pesquisas.

E para a França, é um novo mundo porque o país agora está engajado - efetivamente sozinho - em um conflito externo contra radicais islâmicos.

Consequências

As consequências são potencialmente enormes - dos riscos de fracasso da missão militar às repercussões estratégicas nas relações da França na África e à ameaça muito real de represálias terroristas contra reféns e contra a França.

Paris tem antigos interesses e conhecimento nesta parte do mundo. O Mali foi sua colônia até 1960 e há fortes laços familiares e de comércio entre os dois países.

A França também tem 3,5 mil soldados estacionados em países vizinhos - parte do antigo comprometimento militar com a África de língua francesa que os governos recentes têm na verdade prometido reduzir.

Atualmente, o socialista eleito em maio do ano passado tem o apoio de quase toda a classe política, porque no geral as pessoas concordaram com seu argumento de que a situação no Mali se tornou crítica.

O avanço da aliança jihadista, os franceses ouviram repetidamente, ameaçava a sobrevivência de uma nação amiga.

Se os islamitas tomassem Mopti, no centro do Mali, em poucos dias conseguiriam tomar a capital, Bamako. E então haveria um Estado terrorista a um curto voo de distância de Paris.

Em um mundo ideal, o Exército do Mali teria feito seu trabalho e contido o avanço. Ou, caso isso fracassasse, as forças da coalizão da África Ocidental, autorizadas pela ONU (Organização das Nações Unidas), estariam prontas para reagir.

Mas nada disso aconteceu. Então, a única alternativa da França era agir.

Dúvidas

Por algum tempo, provavelmente alguns dias ou semanas, haverá uma tendência automática a elogiar o recém-descoberto entusiasmo do presidente francês.

Mas percebe-se que já há perguntas sendo feitas sobre os objetivos da operação, como seu sucesso será julgado e como será finalizada.

Da tarefa inicial de fazer retroceder o avanço das colunas jihadistas, os franceses agora voltam sua atenção para centenas de quilômetros ao norte, onde estão bombardeando campos de treinamento e depósitos de munição.

O objetivo claro é enfraquecer a infra-estrutura dos islamitas ao ponto de que eles sucumbam diante de um novo avanço do sul.

Mas quem irá liderar esse avanço? O Exército do Mali precisa de ajuda externa até mesmo para resistir. O apoio da África Ocidental supostamente está a caminho, mas será que consegue enfrentar uma grande ofensiva?

Ou será que as forças francesas terão de ser enviadas para fazer o trabalho?

Analistas afirmam que os combates vão terminar em alguns meses, porque depois disso, o calor e as chuvas vão tornar impossível guerrear. Então, o plano é ter acabado com os jihadistas até março?

Futuro

E então, o quê? O Mali já é um Estado disfuncional. Desde o golpe militar, há um ano, a política no país está mergulhada no caos.

Será que as forças francesas serão vistas algum dia como forças que sustentam um regime impopular, que usa a constante desculpa do extremismo islâmico para justificar sua permanência no poder?

Nada disso precisa acontecer, obviamente. Se a sorte estiver com os franceses, então a aliança jihadista poderá se provar um "tigre de papel".

Seus combatentes poderão desaparecer nas areias e deixar as cidades novamente sob controle do governo.

Mas ninguém deve ter a ilusão de que isso necessariamente irá acontecer.

Os franceses estão contentes em ver que seu presidente tem personalidade. Eles acreditam que o que Hollande fez está certo.

Mas é um novo mundo, cheio de perigos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
topfrançafrancamalihollande

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.