Inundações continuam a castigar Austrália, há 43 desaparecidos

Milhares de pessoas fugiram de suas casas e entraram em pânico estocando alimentos na quarta-feira em Brisbane, terceira maior cidade da Austrália, por causa de uma inundação que já deixou 43 desaparecidos.

ED DAVIES, REUTERS

12 de janeiro de 2011 | 09h27

As chuvas que assolam o Estado de Queensland, no norte da Austrália, provocam as maiores inundações em um século no país, e já mataram 16 pessoas. O importante setor de mineração de carvão está paralisado, parte da infra-estrutura foi destruída, e o impacto econômico leva o dólar australiano à sua menor cotação em quatro semanas.

"A água está subindo e engolindo a cidade. É realmente de cortar o coração", disse Paul Pisasale, prefeito de Ipswich, cidade vizinha a Brisbane, onde mais de 1.500 moradores se alojaram em albergues, e muitos outros fugiram praticamente com a roupa do corpo.

Segundo o prefeito, a água chegou na quarta-feira a um nível de 19,4 metros, cerca de um metro abaixo do que era esperado, o que salvou cerca de 6.000 casas da inundação. Em Brisbane, as autoridades esperam que a inundação atinja seu máximo na quinta-feira, mas também reduziram ligeiramente a previsão, para 5,2 metros de água.

Na quarta-feira, moradores da cidade, que tem 2 milhões de habitantes, empurravam carrinhos com mantimentos pelas ruas alagadas, e outros se arriscavam com água até os ombros para salvar seus objetos --muitos usavam pranchas de surfe para o resgate improvisado. Barcos à deriva se chocavam contra pontes no rio Brisbane.

Aproveitando uma trégua na chuva, equipes de resgate começaram a buscar as pessoas que desapareceram na torrente que, como um tsunami, arrasou subúrbios a oeste da cidade.

"Tenho uma sensação de horror e perplexidade com a força do rio. Infelizmente, nas próximas horas veremos pedaços das casas das pessoas boiando rio abaixo", disse o prefeito Campbell Newman, alertando que a enxurrada pode levar três a quatro dias para se acalmar, embora o sol deva voltar na quinta-feira.

Um diretor do Banco Central australiano disse que as inundações podem reduzir o crescimento econômico do país em até 1 ponto percentual, o dobro da estimativa anterior, o que significa um prejuízo de quase 13 bilhões de dólares.

Os danos a lavouras e redes de abastecimento em Queensland fazem com que os preços dos alimentos estejam subindo em toda a Austrália. O tomate teve alta de quase 200 por cento nas últimas duas semanas, enquanto a carne subiu 11 por cento e o trigo aumentou 4 por cento nos últimos quatro meses.

(Reportagem adicional de Rob Taylor em Canberra e Balazs Koranyi, Wayne Cole e Amy Pyett em Sydney)

Tudo o que sabemos sobre:
AUSTRALIACHUVASDESAPARECIDOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.