Reuters
Reuters

Inundações matam 12 nas Filipinas, incluindo 3 franceses

Rompimento de dique após chuvas de monções deixa pelo menos três vilas sob as águas

Efe e Associated Press,

07 de agosto de 2009 | 10h52

O governo da província de Tarlac, nas Filipinas, disse nesta sexta-feira, 7, que pelo menos três turistas franceses estão entre as 12 mortes confirmadas até agora nas enchentes provocadas pelas chuvas de monções. As tempestades provocaram o colapso de um dique, aumentando deslizamentos e inundações que alagaram vilas e aldeias no norte do país.

 

O governador de Tarlac, Victor Yap, afirmou que um grupo de turistas franceses e sul-coreanos viajava de carro pelo Monte Pinatubo quando um deslizamento bloqueou o caminho, soterrando os veículos. De acordo com Yap, três franceses - uma mulher e dois homens - e seus guias filipinos foram carregados pela inundação. Os cinco corpos foram recuperados nesta sexta. Outros seis franceses - três homens, incluindo um com fratura no ombro, e três mulheres - foram levados para atendimento médico.

 

Mais de mil moradores de Botolan estão desabrigados e permanecem em uma escola por conta das fortes chuvas que atingiram o país nos últimos dias e provocaram uma rachadura de 20 metros num dique, causando uma inundação. Um chefe tribal local calcula que mais de 12 mil pessoas foram desalojadas de suas casas. Segundo ele, as árvores arrancadas pela enxurrada estão atingindo as residências, o que dificulta a retirada das pessoas. Pelo menos três vilas estão totalmente sob as águas. Muitos moradores passaram a noite sobre os telhados e foram resgatados por helicópteros da Força Aérea.

 

A cada ano, dezenas de pessoas morrem nas Filipinas em consequência das inundações e deslizamentos durante a estação chuvosa, que começa em maio e termina em dezembro. Cerca de 20 ciclones costumam passar pelo país nesse período.

Tudo o que sabemos sobre:
Filipinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.