Efe
Efe

Inundações na Austrália já ocupam área equivalente a França e Alemanha

Recuperação de região atingida, com 200 mil afetados, deve custar bilhões de dólares; não há previsão para água baixar

Reuters e BBC Brasil,

31 de dezembro de 2010 | 08h33

SIDNEY - As inundações que atingem a região nordeste da Austrália já alcançavam, nesta sexta-feira, 31, uma área maior do que a extensão da França e Alemanha juntas. Segundo as autoridades, as águas cobriam 22 cidades, isolavam cerca de 200 mil pessoas e deixava inoperante um importante porto de exportação de açúcar.

 

A primeira-ministra Julia Gillard visitou Bundaberg, uma das cidades afetadas e principal centro produtor de açúcar no país, junto com a governadora do Estado de Queensland, Anna Bligh. Julia anunciou o repasse de US$ 1 milhão para a reconstrução do Estado. Ela também elogiou o "espírito de comunidade" das vítimas.

 

O custo dos trabalhos de resgate e de recuperação após as enchentes deve ficar na casa dos bilhões de dólares. "Esta é sem dúvida uma tragédia em escala sem precedentes", afirmou Anna. "Temos agora três grandes sistemas fluviais transbordados; temos 17 centros de evacuação de desabrigados; mais de mil pessoas abrigadas nesses centros e muitas outras milhares de pessoas abrigadas com parentes ou amigos", disse.

 

O porto foi fechado após a correnteza arrastar detritos para dentro dos canais de navegação e danificaram o sistema de sinalização. O local é responsável pelo despacho de aproximadamente 400 mil toneladas de açúcar por ano. Anna lamentou a situação da região e disse que não há previsão de melhora. "Ainda há um bom tempo para que esse desastre acabe", falou aos jornalistas.

 

As cheias também fecharam as principais minas de carvão em Queensland, obrigando a mineradoras - incluindo a Anglo American e Rio Tinto - a reduzir o ritmo de produção. Essas são as piores inundações em quase 50 anos no país e foram causadas pelo fenômeno climático La Niña, que provocou chuvas torrenciais na região nas últimas semanas.

Segundo os centros de meteorologia, essa foi a primavera mais chuvosa já registrada na Austrália, que encheu seis importantes sistemas fluviais de Queensland.

 

Os serviços de emergência acreditam que até domingo ainda deve ter temporais fortes na região e que a água não deve baixar antes de uma semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.