Barbara Walton/Efe
Barbara Walton/Efe

Inundações na Tailândia já mataram 564 pessoas

Enchentes afetaram 22 províncias do país nos últimos três meses e ameaçam o centro comercial de Bangcoc

Efe,

16 de novembro de 2011 | 11h04

BANGCOC - As autoridades da Tailândia disseram nesta quarta-feira, 15, que já morreram 564 pessoas com as inundações que assolam 22 províncias do país nos últimos três meses e ameaçam o centro comercial de Bangcoc.

 

A água ainda afeta 22 províncias e há mais de 5 milhões de pessoas danificadas, de acordo com o Departamento de Prevenção e Mitigação de Desastres.

 

Mesmo que a água já tenha começado a diminuir nas províncias de parte central do país e na capital, as autoridades estão vigilantes para drenar os milhões de metros cúbicos de água contida por barreiras de cimento e sacos de areia.

 

Com capacidade de drenagem de 400 milhões de metros cúbicos por dia, o Departamento de Irrigação do governo acredita que poderá dirigir até o mar a água próxima a Bangcoc.

 

As autoridades locais na capital acreditam que a situação deve melhorar em algumas semanas e alguns vizinhos se rebelaram e tentaram romper os diques para desalojar a água que inunda bairros periféricos.


A estratégia do executivo da primeira-ministra Yingluck Shinawatra tem sido a de manter a salvo Bangcoc e, quando a água chegou aos bairros do norte, conservar seco o centro comercial e financeiro da cidade.

 

Além de avariar sete parques industriais do país, o caudal que descende desde o norte inundou várias universidades e colégios, obrigando a atrasar o começo das aulas. As inundações, que obrigaram a milhares de pessoas a viver em centros de evacuação, começaram em julho com o desbordamento de rios e pântanos do norte e da região central, devido às chuvas e de três tormentas tropicais seguidas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.