Invasão de grupo extremista a ministério no Iraque deixa 18 mortos

Os seis homens-bomba que invadiram o local e mataram reféns também foram mortos

O Estado de S. Paulo,

30 de janeiro de 2014 | 11h37

BAGDÁ - A invasão a um prédio ministerial do Iraque por seis homens-bomba nesta quinta-feira, 30, deixou ao menos 18 pessoas mortas, incluindo o grupo extremista, informou uma autoridade.

O ataque ao edifício que pertence ao Ministério do Transporte coincide com um confronto entre o Exército iraquiano e militantes contrários ao governo na província de Anbar, que já dura um mês.

O grupo entrou no local atirando, fez algumas pessoas reféns e matou quatro delas, disseram autoridades. Não está claro onde as outras oito vítimas morreram. A polícia já retomou o controle do prédio e os extremistas foram mortos.

Para prevenir novos ataques, as forças de segurança rodearam a zona, onde há outros edifícios do governo. Por enquanto, nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque.

Nenhum grupo assumiu responsabilidade pelo ataque, mas edifícios estatais são um alvo comum de insurgentes islâmicos sunitas, que têm acumulado força em uma campanha para desestabilizar o governo liderado pelos muçulmanos xiitas.

Mais de mil pessoas foram mortas pela violência espalhada por todo Iraque desde o início do ano, quando militantes tomaram o controle de duas cidades na província de Anbar, dominada pelos sunitas, na fronteira com a Síria. Em 2013, 8.868 pessoas, sendo 7.818 civis, morreram, segundo números da ONU.

O primeiro-ministro xiita, Nuri al-Maliki, tem solicitado apoio internacional e armas para ajudar no combate à Al Qaeda, que tem se fortalecido com a guerra civil na vizinha Síria, onde também atua./EFE e REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
Iraquehomens-bomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.