Russian Federation
Russian Federation

Invasões aéreas são respondidas com fogo pesado

Episódios de aviões entrando em espaços proibidos são frequentes no mundo e esquadrões de combate em alerta realizam interdição rápida

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2019 | 06h00

Fogo pesado: ao menos 380 tiros de canhão 20mm, salvas de granadas de calor, caças pesados manobrando a curta distância de aviões gigantes de inteligência; uma ação aérea de alto risco sobre um dos cenários mais sensíveis da Ásia, as Ilhas Takeshima, para o Japão, ou Dokdo, para Coreia do Sul

 O arquipélago rochoso é disputado pelos dois países há cerca de 300 anos. Foi assim há 12 dias, às 9 horas da manhã de um dia sem nuvens, um grande Beriev-50A de quatro turbinas da Força Aérea da Rússia invadiu a Zona de Identificação de Defesa Aérea (Kadiz, na sigla internacional) uma espécie de autodeclarada área vestibular do espaço sul-coreano, na qual o país exige reconhecimento para permitir o sobrevoo. 

Em 8 minutos, acionados pelo comando de Seul, estavam no local caças F-15K e F-16K, versões locais customizadas dos modelos americanos da Boeing e da Lockheed. Interceptado, o Beriev saiu fora, seguiu para o quadrante internacional. O tempo todo a tripulação manteve silêncio nas comunicações.

Cerca de 20 minutos mais tarde a aeronave de alerta avançado e vigilância cruzou novamente a linha vermelha. Os disparos com munição traçante e os sinalizadores incandescentes de fósforo branco voltaram ao céu de Mejima, segundo os japoneses ou de Seodo, conforme os coreanos. Haveria ainda outros três personagens na cena; todos bombardeiros de longo alcance – dois chineses e mais um, também russo.

Antes disso, no dia 19, houve outro incidente. No litoral da Venezuela, dois supersônicos Su-30Mk2V, de um lote de 24 unidades fornecido pela Rússia ao regime bolivariano a partir de 2005, foram despachados da Base de Barcelona, no Mar do Caribe, para interceptar um avião de reconhecimento e coleta de informações Aries II, da força aérea dos EUA.

A missão foi cumprida no perímetro externo do terminal de Maiquetía, onde funciona o aeroporto da capital, Caracas. O piloto americano registraria depois que o turboélice teria sido “acompanhado agressivamente” durante algum tempo pelos impressionantes caças venezuelanos armados com dois tipos de mísseis ar-ar.

Jogo ruim

Esse tipo de episódio se repete com extraordinária frequência, todos os dias, em várias partes do mundo. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) não revela os números consolidados das interdições efetivamente realizadas – aqueles acionamentos que resultam em um contato visual com aeronaves militares “em situação irregular”. A agência cita “centenas de missões” e admite que, apenas nos últimos seis meses, houve “14 casos de nível 1” (o mais alto) no norte da Europa envolvendo interceptadores da coalizão e aviões russos. O que se pretende com esses ensaios é medir o tempo de reação das forças oponentes. 

Os radares de defesa aérea indicam a presença dos bandidos e os esquadrões de combate mantidos em regime de alerta – não mais de 10 minutos da decolagem – são acionados. O tempo que demoram para chegar ao ‘intruso’, o modo como isso é feito e a forma da abordagem são cuidadosamente monitorados, eventualmente por sensores a bordo de satélites. O jogo é pesado e está no limite de segurança: um leve descuido, um dedo nervoso no gatilho, pode precipitar uma crise difícil.

Vigilância brasileira

O Brasil é o único país da América Latina capaz de supervisionar todo seu espaço aéreo. Faz isso por meio de uma rede eletrônica, a dos sete Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle do Tráfego (Cindacta) diretamente ligada aos comandos operacionais da Força Aérea. Todos os dias os alertas soam nas bases do sistema. Quase sempre o ‘agressor’ é só um piloto privado, um fazendeiro, sem plano de voo ou com falha técnica de comunicações. 

Interceptado por turboélices A-29 Super Tucano ou, em situações especiais, por jatos F-5M, é orientado a pousar em uma pista próxima. Pode ser diferente. Às vezes o ‘bandido’ é um traficante de drogas ou contrabandista de armas. Seguindo um protocolo em etapas previstas na Lei do Abate, o curso do intruso é interrompido. Eventualmente, uma tentativa de fuga pode resultar em tiros de canhão. “Para neutralizar a ameaça”, disse ao Estado um oficial do Esquadrão Flecha, da ALA 5, de Campo Grande (MS).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.