Inverno poderá piorar situação sanitária no Afeganistão, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) teme que a chegada do inverno contribua para piorar a já precária condição sanitária do Afeganistão, impedindo a distribuição de ajudas humanitárias. A advertência foi feita pelo coordenador da OMS em território afegão, Mohammed Jama, para quem "é muito alto o risco de epidemias".Segundo Jama, durante os meses de inverno, pneumonia, sarampo e tifo são a grande ameaça para uma população já afetada por décadas de guerras e três anos de carestia. Ele lembrou que no Afeganistão uma em cada quatro crianças morre antes de fazer cinco anos, uma mulher morre de parto a cada meia hora e que a expectativa de vida é de apenas 46 anos.Atualmente, a OMS, que trabalha na região com a Unicef e com o Programa Mundial de Alimentos da ONU, além de várias organizações não-governamentais (ongs), está organizando o armazenamento de alimentos. Trata-se de uma ação desenvolvida por 177 funcionários locais da OMS em centros da organização situados nas fronteiras do Afeganistão."Nosso objetivo também é o de intensificar a vigilância, monitorar os movimentos da população e organizar as vacinas nos campos e nos distritos com maior fluxo de pessoas", afirmou Jama.Em Roma, a organização humanitária cristã Cáritas pediu hoje a abertura de corredores humanitários no Afeganistão, "antes que seja tarde para milhões de pessoas". A rede internacional destinou até agora US$ 15 milhões para os refugiados afegãos, que se encontram em uma situação cada vez mais dramática. Uma missão da Cáritas retornou hoje a Roma depois de uma visita a campos de refugiados em Peshawar, Kachagari e Shamsatoo. Segundo o vice-diretor da rede, Romberto Rambaldi, que também visitou os campos, os principais problema "são as pessoas que querem sair do Afeganistão, mas não podem porque as fronteiras estão fechadas". "As pessoas estão em condições dramáticas, pois a ajuda não está chegando e elas correm o risco de acabar como vítimas dos bombardeios", afirmou Rambaldi.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.