Inverno rigoroso mata pelo menos 36 no leste da Europa

Uma severa onda de frio, com fortes nevascas, matou pelo menos 36 pessoas no leste da Europa. Diversas áreas estão sob medidas de emergência nesta segunda-feira. Após as temperaturas caírem para cerca de -20ºC, autoridades montaram centenas de abrigos de emergência pela região e pediram para as pessoas tomarem precauções e permanecerem dentro de suas residências. A polícia procura por pessoas que não têm abrigo para ter certeza de que elas não morram congeladas.

AE, Agência Estado

30 de janeiro de 2012 | 13h10

O Ministério de Situações de Emergência da Ucrânia informou que 18 pessoas morreram de hipotermia e cerca de 500 buscaram ajuda médica por ulceração causada pelo frio e hipotermia em três dias da semana passada. Deste total, 12 mortos eram pessoas sem abrigo e seus corpos foram encontrados nas ruas. As temperaturas em partes da Ucrânia variam entre -16ºC de dia e -23ºC à noite. As autoridades montaram 1.500 abrigos para providenciar comida e ambientes quentes e fecharam escolas e creches.

Ao menos dez pessoas morreram congeladas na Polônia após a temperatura chegar a -26ºC nesta segunda-feira. Malgorzata Wozniak, porta-voz do Ministério do Interior do país, disse que idosos e sem-teto estavam entre os mortos. Até o momento, a Polônia vinha tendo um inverno ameno, com pouca neve e temperaturas um pouco abaixo de zero.

No centro da Sérvia, três pessoas morreram e duas estava desaparecidas. Além disso, 14 municípios estão com decretos de emergência. Esforços para desbloquear as ruas foram prejudicados por fortes ventos e dezenas de cidades enfrentam falta de energia. Na Romênia, a mídia local informou que quatro pessoas morreram por causa do rigoroso inverno. Também há informação sobre um homem que morreu de frio na Bulgária. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Europafriomortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.