Investigação acusa piloto 'sonolento' por acidente que matou 158 na Índia

Capitão ignorou avisos do copiloto e errou em aterrissagem, diz relatório de queda de avião ocorrida em maio.

BBC Brasil, BBC

17 de novembro de 2010 | 09h45

Apenas oito pessoas sobreviveram ao acidente

Uma investigação sobre um acidente aéreo que matou 158 pessoas no sul da Índia em maio atribuiu a culpa ao piloto "sonolento" do avião.

Segundo uma cópia da investigação obtida pela imprensa indiana, o avião da companhia estatal Air India Express aterrissou em Mangalore em altura e ângulo errados em 22 de maio.

O Boeing 737 saiu da pista, bateu em um barranco e pegou fogo. Apenas oito pessoas sobreviveram, na maior tragédia aérea do país em uma década. A maioria das vítimas era de trabalhadores migrantes que voltavam para casa.

Investigadores dizem que o piloto sérvio Zlatko Glusica estava "desorientado" por ter dormido durante a maior parte do voo de três horas, que tinha decolado de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Segundo o jornal Hindustan Times, é possível ouvir "roncos" nas gravações da caixa-preta do avião e avisos do copiloto, H. S. Ahluwalia, para que a aterrissagem fosse abortada.

Pouco antes de o avião pegar fogo, segundo a imprensa, Ahluwalia disse: "Não temos pista (para aterrissar)".

'Inerte'

O relatório investigativo diz que Glusica estava "inerte de sono".

O piloto - que morreu no acidente - tinha 10 mil horas de voo e experiência em aterrissar no aeroporto de Mangalore.

O Hindustan Times informa que o relatório da investigação foi entregue ao ministro de Aviação Civil indiano, Praful Patel, e será repassado também ao Parlamento do país, recomendando check-ups médicos da tripulação para evitar acidentes semelhantes.

Na época do acidente, Patel havia dito que o aeroporto de Mangalore tinha uma pista curta e uma área limitada para acomodar aviões que aterrissassem de forma equivocada.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.