Investigação liga corrupção palestina a muro israelense

Duas empresas palestinas desviaram cimento de projetos essenciais de reconstrução nos territórios ocupados para o muro que Israel vem construindo a fim de isolar a Cisjordânia, disse o chefe de uma comissão de inquérito. O motivo foi dinheiro fácil, disse Hassan Khreishe, vice-presidente do Parlamento palestino, que comandou o inquérito a respeito da suspeita generalizada de que a barreira de Israel enriquece alguns palestinos às custas dos demais.Khreishe disse que duas empresas palestinas venderam cimento egípcio, destinado a reconstruir partes da infra-estrutura palestina devastada pelos quatro anos de conflito com Israel, para empreiteiras israelenses envolvidas na obra do muro. Ele citou uma empresa pertencente ao irmão do ministro palestino Jamil Tarifi. O ministro é suspeito em diversos casos de corrupção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.