AFP PHOTO / LA NACION / HO
AFP PHOTO / LA NACION / HO

Investigação na Argentina preocupa por causa de efeitos na economia

Argentinos querem evitar que aprofundamento das investigações afete investimentos e estenda ainda mais a recessão

Márcio Resende, ESPECIAL PARA O ESTADO / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2018 | 05h00

BUENOS AIRES - Os “diários da corrupção” e a Lava Jato convergem na Argentina a partir de atores em comum e de uma matriz semelhante de corrupção sistemática. A IECSA aparece tanto nos “diários da corrupção” quanto nas delações da Odebrecht no Brasil, que estão a ponto de ser enviadas à Argentina. Odebrecht e IECSA eram sócias numa das maiores obras públicas do país. 

+ Cristina Kirchner via propina ser paga, diz delator

“Para Macri, é um problema porque envolve sua família, mas pode ser uma oportunidade de mostrar uma mudança real, sem a conivência de juízes amigos para a troca de favores”, diz o analista político Marcos Novarro. “Ao mesmo tempo, o fato de o primo do presidente estar envolvido desarma a hipótese de a causa ser uma armação do governo contra a oposição”, sublinha.

As consequências negativas de investigações profundas que questionem os contratos em obras públicas e paralisem os investimentos das empresas questionadas é outra lição brasileira que os argentinos querem evitar. Um freio generalizado no investimento até que a situação se normalize pode estender a recessão e prejudicar as Parcerias Público-Privadas, grande aposta do governo para reduzir o déficit fiscal sem comprometer a obra pública em ano eleitoral.

O governo avalia permitir que as empresas suspeitas de corrupção continuem com os investimentos até que haja sentença firme, depois de esgotarem todos os recursos. “A Lava Jato assusta o governo porque é um fator de crise de governabilidade e de instabilidade econômica no curto prazo. No governo pensam ‘queremos reforma institucional, mas queremos tanta confusão?’ A Lava Jato é muito atraente pelas reformas institucionais que pode causar, mas tem custos políticos e econômicos dramáticos”, diz Novarro.

"A maioria dos políticos na Argentina não quer uma Lava Jato, não necessariamente por interesse pessoal, mas porque este é um país frágil do ponto de vista institucional.”

“Há duas situações: contratos que algumas empresas assinaram no governo anterior com problemas e contratos que essas mesmas empresas assinaram de forma limpa também no governo anterior. Na atual gestão, os procedimentos de licitação e de execução da obra pública tornaram-se transparentes e com preços menores. Não podemos cancelar tudo. É preciso separar. Queremos que a Justiça atue, mas também queremos que a Argentina tenha obras públicas”, defende Fernando Sánchez, secretário do governo Macri.

“A Argentina está combatendo a corrupção nos tribunais com menos eficácia do que o Brasil, com menos condenados, mas com menos crise institucional. Essa é a grande diferença: a Argentina iniciou a sua depuração do sistema de obra pública não só com investigações judiciais, mas com fortalecimento das suas instituições para poder avançar melhor neste processo”, diz Sánchez. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.