Brendan McDermid/Pool Photo via AP (24/03/2021)
Brendan McDermid/Pool Photo via AP (24/03/2021)

Investigação para abertura de impeachment de Cuomo está perto do fim, diz presidente de comissão

Inquérito que examina vários escândalos envolvendo governador de Nova York foi acelerado após denúncias de assédio sexual contra 11 mulheres

The New York Times , O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2021 | 18h35

ALBANY, EUA - A investigação para a abertura de um impeachment da Assembleia do Estado de Nova York contra o governador Andrew Cuomo está quase concluída, segundo o presidente da comissão que supervisiona o inquérito, Charles Lavine, em um comunicado nesta quinta-feira, 5. Segundo ele, o órgão considerará em breve os possíveis artigos de impeachment.

Os advogados da Comissão de Justiça da Assembleia, responsável pelo processo, instruíram a equipe jurídica de Cuomo a apresentar qualquer evidência para a defesa do governador até sexta-feira, 6. Os advogados já haviam emitido uma intimação para documentos relevantes.

A ação foi a mais recente e vívida indicação de que a Assembleia, que é controlada por democratas, está agindo rapidamente para destituir Cuomo, um democrata em terceiro mandato.

A Assembleia iniciou um amplo inquérito de impeachment contra o governador em março, que começou lentamente, em parte, porque estava examinando vários escândalos envolvendo Cuomo, incluindo sua forma de lidar com as mortes em lares de idosos durante a pandemia.

Mas depois que um relatório do gabinete da procuradora-geral do Estado de Nova York, Letitia James, esta semana concluiu que Cuomo havia assediado sexualmente 11 mulheres, os líderes da Assembleia sinalizaram que pretendiam acelerar o inquérito e passar para uma votação de impeachment.

O porta-voz da Assembleia, Carl E. Heastie, disse na terça-feira que os membros agiriam com rapidez e esperariam concluir a investigação o mais rápido possível.

Os legisladores poderiam impugnar Cuomo com maioria simples de votos. Um julgamento seria então realizado no Senado Estadual, onde os democratas também são maioria. Se condenado, Cuomo seria destituído e potencialmente impedido de buscar um cargo político em todo o Estado. A vice-governadora, Kathy Hochul, assumiria.

A investigação de impeachment teve inicialmente quatro pontos focais principais: as alegações de assédio sexual; a manipulação de dados pelo governador sobre mortes em lares de idosos; se ele usou recursos do Estado para escrever suas memórias sobre a pandemia; e se sua administração encobriu problemas estruturais potenciais na ponte que leva o nome de seu pai, o governador Mario Cuomo.

Mas um deputado da comissão disse na quarta-feira que a investigação estava sendo redirecionada para outras áreas.

A declaração de Lavine não forneceu uma data provável para o término da investigação, e vários membros de sua comissão disseram que levarão o tempo que for necessário para reunir o caso mais forte possível para um julgamento de impeachment. Uma pessoa familiarizada com o processo disse no início desta semana que pode levar um mês para concluir o inquérito e redigir os artigos de impeachment.

A próxima reunião da comissão está marcada para segunda-feira de manhã em Albany, capital do Estado.

Cuomo, que negou ter tocado em alguém de forma inadequada, há meses se recusou a atender aos pedidos de renúncia. Na esteira do relatório da procuradora-geral, seu apoio caiu entre o público e ele viu deserções de alguns de seus apoiadores mais leais.

Braço forte

Em março, alguns lobistas e legisladores veteranos, há muito acostumados às táticas de negociação de braço forte de Cuomo com o Legislativo estadual, disseram que ficaram surpresos com a torrente de concessões que o governador estava disposto a fazer para chegar a um acordo sobre a legalização da maconha recreativa no Estado. 

A proposta sobre a maconha estava sendo negociada inicialmente como parte do orçamento do Estado, que venceu em abril, mas os legisladores disseram que seria acelerado para ser votado como uma peça legislativa autônoma.

Cuomo normalmente exerce influência descomunal durante as negociações orçamentárias, mas à medida que seus escândalos aumentaram e muitos membros de seu partido começaram a pedir sua renúncia, a estatura do governador diminuiu.

Os legisladores democratas de repente tiveram uma nova influência. Eles aproveitaram a oportunidade para pressionar por suas demandas e negociar um acordo que espelhava mais de perto sua legislação existente, a Lei de Regulamentação e Tributação da Maconha, ou MRTA, uma proposta anunciada por uma coalizão de ativistas estaduais. A lei foi aprovada em 31 de março. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.