Reuters
Reuters

Investigação pede bloqueio de herança de Néstor Kirchner 

Órgão ligado à Fazenda argentina quer impedir venda de bens sob suspeita em patrimônio de R$ 13 milhões

Rodrigo Cavalheiro CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S. Paulo

09 de setembro de 2016 | 20h34

Investigadores da Unidade de Informação Financeira (UIF), órgão ligado à Fazenda argentina, pediram à Justiça que bloqueie os bens deixados pelo ex-presidente Néstor Kirchner, que morreu em 2010. A intenção da medida divulgada nesta sexta-feira, 9, é impedir que Cristina Kirchner e os dois filhos do casal, Máximo e Florencia, vendam propriedades sob suspeita.

Os três membros da família que governou o país por 12 anos são investigados no caso Hotesur, que vê indícios de lavagem de dinheiro no aluguel de quartos de hotéis do casal Kirchner a empresários beneficiados por concessões – eles nunca foram ocupados.

O patrimônio declarado deixado por Néstor, vítima de um enfarte, é de R$ 13 milhões. São 25 propriedades, participação societária em três empresas e um carro, segundo relatório apresentado no início do ano. 

A Justiça fechou nos últimos meses o cerco à família. Em julho, os bens de Cristina foram bloqueados após acusação de fraude financeira. Para o juiz Claudio Bonadio, ela ordenou, no fim de seu mandato, uma operação na qual o país perdeu R$ 17,1 bilhões ao negociar dólar pelo preço oficial quando o valor de mercado era 42% maior.  Bonadio permitiu o acesso de Cristina a suas duas pensões (de ex-presidente e de viúva, R$ 74 mil no total). 

Florencia teve bloqueados US$ 4 milhões em dinheiro guardados no cofre de um banco. A quantia apareceu em seu nome pouco antes do embargo contra Cristina, que fazia campanha contra poupanças em moeda estrangeira.

A UIF ainda solicitou que Máximo seja afastado da função de administrador da sucessão e os bens sejam taxados. Se a Justiça aceitar, um administrador será nomeado até que Cristina e seus filhos saiam da mira da Justiça. Se não forem inocentados, os bens já estariam à disposição para ressarcir o Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
Cristina FernandezArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.