Foto: Alan Santos/PR
Foto: Alan Santos/PR

Investigação sobre acordo de Itaipu está 'avançada', diz MP do Paraguai

Promotor paraguaio responsável pelas investigações diz que inquérito 'progride com rapidez, apesar da complexidade'

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2019 | 11h22

O promotor paraguaio responsável pelas investigações sobre o acordo firmado em maio pelo governo brasileiro e o governo do Paraguai sobre a energia elétrica da usina de Itaipu afirmou nesta quinta-feira, 8, que o inquérito está “progredindo com rapidez, apesar da complexidade do caso”.

Marcelo Pecci também afirmou que agora o Ministério Público deve ouvir mais testemunhas envolvidas no caso, que desencadeou uma profunda crise política no Paraguai e agora envolve a  empresa brasileira Léros, que seria ligada à família Bolsonaro, segundo a imprensa paraguaia.

Para Entender

Como o nome de Bolsonaro foi envolvido no escândalo de Itaipu no Paraguai

Assessor de vice paraguaio usou nome da família do presidente em negócio de venda de energia para empresa brasileira, representada por suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP)

A questão da venda de energia excedente no Paraguai é controvertida. Um acordo assinado entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Lugo, em 2009, estabeleceu que o Paraguai teria preferência sobre a compra dessa parcela de energia – gerada a partir do excesso de chuvas em Itaipu todos os anos, que custa cerca de US$ 6 o MW/h.

Nos últimos anos, o Paraguai tem usado a chamada energia excedente para atrair empresas e investimentos. A revenda dessa energia para empresas, disseram ao Estado fontes que participaram da gestão de Itaipu no governo Lugo, também estava prevista no pacto, desde que com a anuência da Eletrobrás

Novas mensagens de WhatsApp divulgadas nesta quinta-feira, 8, pela imprensa paraguaia e atribuídas ao vice-presidente Hugo Velázquez revelam uma interferência direta dele na estatal elétrica do país, a Ande, para concluir a venda de energia elétrica excedente de Itaipu à empresa brasileira Léros, que seria ligada à família Bolsonaro, segundo a imprensa paraguaia.

Marcelo Pecci é um dos promotores nomeados para investigar o caso. “Há muitos avanços, estamos indo mais rápido do que uma investigação normal, que é de seis meses", disse ele à rádio Monumental, do Paraguai. No entanto, ele disse que é uma causa complexa, porque há muitos aspectos técnicos e específicos, e “componentes normativos de natureza energética e transnacional”.

O ex-chefe da Administração Nacional de Eletricidade (ANDE) Pedro Ferreira deu seu depoimento na quinta-feira e forneceu importantes documentos sobre o processo de negociação do ato bilateral. Posteriormente, compareceu o advogado José Rodríguez, que supostamente compareceu perante o ex-chefe da empresa estatal como assessor jurídico do vice-presidente Hugo Velázquez.

O último a dar seu testemunho foi o ministro da Fazenda, Benigno López. O secretário de Estado também é acusado de estar envolvido na negociação para vender eletricidade ao mercado brasileiro por meio de uma empresa que supostamente seria ligada à família do presidente Jair Bolsonaro, segundo informou o jornal ABC Color.

Pecci disse que eles estão se aprofundando com os técnicos sobre o que é o Tratado de Itaipu, a história das negociações, a demanda por consumo, a contratação de energia garantida nos últimos anos, entre outras coisas. “Há muitos aspectos em um caso ultra complexo. Estamos fazendo um bom progresso e considero isso bastante rápido ”, reiterou.

Chefe da Ande questiona procedimentos

O Engenheiro Pedro Ferreira, ex-chefe da ANDE, questionou na quinta-feira, 8, os procedimentos realizados pelo Ministério Público com relação à investigação. “Por que o Ministério Público não acessou o telefone do vice-presidente Hugo Velázquez, o que seria fundamental para elucidar a verdade dessa situação”, perguntou Ferreira ao jornal ABC Color.

Através de sua conta no Facebook, o ex-presidente da Administração Nacional de Eletricidade (ANDE) se perguntou por que a acusação não acessou o celular do vice-presidente Hugo Velázquez para ver as conversas que ele teve via WhatsApp com seus representantes.

Ferreira questionou a ligação entre o vice-presidente da República, Hugo Velázquez e Joselo Rodríguez, assessor jurídico da Vice-Presidência, que teria falado em nome do vice-presidente ao fazer pressão sobre Pedro Ferreira, em favor da Léros, denunciada no país como ligada a Bolsonaro.

Ferreira relatou a imprensa paraguaia que teria sido o próprio vice-presidente Velázquez quem o apresentou ao advogado Joselo ‘como seu representante e homem de sua confiança’. Ainda segundo Pedro Ferreira, o vice-presidente teria dito que Joselo seria seu representante “em todas as conversações relativas à venda de energia à empresa brasileira (Grupo Léros)’”.

No entanto, Velázquez negou seu relacionamento com Joselo e disse que só “o indicou para conversar com Ferreira”, e que ele “errou ao ter se apresentado como um oficial do vice-presidente e coincidentemente denunciou a perda de seu celular”, então que o Ministério Público não pôde verificar as comunicações que teve sobre a ata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.