Investigação sobre morte de Hariri ganha mais um ano

O Governo libanês prorrogou terça-feira à noite por um ano o mandato da comissão de investigação internacional sobre a morte do ex-primeiro-ministro Rafik Hariri, assassinado num atentado com carro-bomba em fevereiro de 2005.Segundo informa a imprensa libanesa, a decisão foi tomada numa reunião convocada pelo ministro da Justiça, Charles Rizk. Ele afirmou que eram necessários mais 12 meses para compensar o atraso na criação de um tribunal internacional.No início de fevereiro, o Governo e a ONU assinaram um memorando para estabelecer o tribunal, que ainda não conta com a aprovação do Parlamento libanês. O presidente da Câmara, Nabih Berri, se nega a convocar a assembléia para votar a iniciativa.Berri pertence à oposição, liderada pelo Hezbollah. Ele afirma que não se opõe à criação do tribunal, mas exige modificações nas suas cláusulas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.