Investigação sobre rede de pedofilia leva 43 à prisão

Uma investigação sobre uma rede internacional de pornografia infantil que teve início em Massachusetts, no nordeste dos EUA, levou à prisão de 43 homens em sete países e identificou mais de 140 crianças vitimadas por pedófilos nos dois últimos anos, informaram hoje autoridades envolvidas na operação.

AE, Agência Estado

04 de agosto de 2012 | 17h02

Entre os presos estão um manipulador de fantoches na Flórida, um gerente de hotel em Massachusetts e o funcionário de uma creche na Holanda.

Um coelho de pelúcia foi a pista que levou os investigadores a identificar a rede. O brinquedo, que aparecia na foto de um bebê seminu de 18 meses, foi usado para localizar um molestador em Amsterdã, a capital holandesa. A partir daí, os agentes efetuaram várias detenções de suspeitos acusados de abusarem de crianças, trocarem fotos explícitas dos ataques e de combinarem, via internet, o sequestro de menores para a prática de canibalismo.

A investigação, que poderá levar a mais prisões, foi batizada com o nome de um rio do Alasca com muitos afluentes, conhecido como Holitna. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
pedofiliaEUAprisãopornografia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.