Investigador da ONU pressiona o Irã por respostas nucleares

O principal investigador da ONU paraquestões nucleares reuniu-se nesta segunda-feira comautoridades iranianas para pressioná-las a esclareceratividades atômicas do passado no país. A agência estatal de notícias do Irã, a Irna, disse queOlli Heinonen chegou a Teerã na segunda-feira e se encontrou aportas fechadas com o vice-presidente do Conselho Supremo daSegurança Nacional da República Islâmica, Javad Vaeedi. A conversa durou cerca de três horas e será retomada naterça-feira, segundo a agência de notícias. A Irna informou queHeinonen deixaria o Irã na quarta-feira sem visitar instalaçõesnucleares. Ali Asghar Soltanieh, representante do Irã na AgênciaInternacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU), disseque o objetivo de Heinonen é ampliar a cooperação de Teerã coma agência. "Tais conversas demonstram a política e a determinação doIrã em realizar sua cooperação técnica com a AIEA", afirmouSoltanieh à agência semi-oficial de notícias Fars. O Irã diz que suas atividades nucleares são pacíficas, masjá sofreu três pacotes de sanções da ONU desde 2006 devido àsua recusa em suspender as atividades de enriquecimento deurânio, que podem gerar material para usinas nucleares civis oupara bombas atômicas. Heinonen provocou uma polêmica diplomática em fevereiro aosugerir uma relação entre os programas iranianos deprocessamento de urânio, teste de explosivos e modificação deum míssil para eventualmente receber ogivas atômicas. O Irã diz que as acusações contra si são infundadas,forjadas ou irrelevantes. Mas a AIEA quer cooperação de Teerãpara esclarecer as suspeitas pregressas. Uma fonte da Organização da Energia Atômica do Irã disse àIrna que "como há diferenças entre o Irã e a agência (arespeito das suspeitas ocidentais), a reunião vai tratar deencontrar uma solução para este problema". A AIEA diz investigar informações sobre estudos com armasobtidas a partir de um computador retirado em 2004 do Irã porum dissidente e entregue aos EUA. Potências ocidentais discutem a melhoria de um pacote deincentivos comerciais e políticos ao Irã em troca do fim doenriquecimento. Teerã recusa-se a suspender essa atividade eafirma preparar uma proposta própria para resolver a crise. (Reportagem de Hasham Kalantari e Hossein Jaseb)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.