Social Media/Handout via Reuters Tv
Social Media/Handout via Reuters Tv

Investigadores confirmam que cloro ‘provavelmente foi utilizado como arma’ em ataque à cidade síria

Missão de investigação da Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) disse que a substância foi liberada ‘dos cilindros de impacto mecânico’ em Saraqeb

O Estado de S.Paulo

16 Maio 2018 | 06h47

HAIA - A Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) confirmou nesta quarta-feira, 16, que cloro "provavelmente foi utilizado como arma química" em fevereiro durante um ataque contra a cidade síria de Saraqeb, no leste da Província de Idlib.

+ Cronologia: Uso de armas químicas na guerra na Síria

+ Suposto uso de armas químicas em ataque na Síria preocupa EUA

Uma missão de investigação da Opaq determinou que o "cloro foi liberado dos cilindros por impacto mecânico no bairro de Al Talil, em Saraqeb", afirma um comunicado da organização.

+ Investigadores internacionais conseguem entrar em Duma e recolhem amostra

+ Cálculo de mortos em guerra na Síria é um desafio para observadores

A equipe encontrou dois cilindros nos quais detectaram que havia cloro. As apreensões na região também "mostraram uma presença incomum de cloro no entorno local", completou a organização que tem sede em Haia. A Opaq não indicou quem poderia ter utilizado a substância.

No dia 4 de fevereiro, 11 pessoas foram atendidas com dificuldades respiratórias na cidade de Saraqeb, informou a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Na ocasião, Mohammad Ghaleb Tannari, médico em uma cidade próxima, disse que o hospital em que trabalha havia atendido 11 pessoas por "sintomas correspondentes a uma inalação de gás de cloro, incluindo cansaço, dificuldades respiratórias e tosse".

Relembre: Suposto ataque químico mobiliza comunidade internacional

A Opaq afirmou que durante sua investigação entrevistou testemunhas e confirmou que "vários pacientes foram tratados pelos sintomas correspondentes a uma exposição ao cloro".

Outra missão da organização aguarda os resultados de uma complexa investigação na cidade síria de Duma, em Ghouta, por acusações de um ataque com cloro e gás sarin que deixou ao menos 40 mortos no dia 7 de abril. / AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.