Investigadores de massacre analisam computador de Cho

As investigações sobre o massacre de 32 pessoas cometidos por Cho Seung-hui na universidade americana Virginia Tech entraram em uma nova etapa no sábado, 21, com a descoberta de que o atirador comprou parte das munições utilizadas no crime pelo site de leilões eBay.A entrada de especialistas em computadores na apuração da tragédia deve trazer novas informações sobre como o estudante de origem sul-coreana planejou o ataque, incluindo a compra das munições por Cho três semanas antes do crime. O tiroteio foi o mais violento em uma instituição de ensino em toda a história dos Estados Unidos.Segundo o porta-voz do eBay Hani Durzy, a compra das balas de um vendedor do estado de Idaho foi legal. Ele destacou que a empresa está cooperando com as autoridades. As autoridades estão examinando o computador pessoal encontrado no dormitório do assassino, que se suicidou após matar 32 pessoas. Seus sigilo telefônico também foi quebrado.Cho, de 23 anos, também usou o site de leilões para vendar itens que iam de entradas para jogos de futebol na universidade à livros de terror. A quebra do sigilo de uma conta de e-mail de Cho também foi pedida. Uma das questões que os investigadores pretendem responder é se o assassino manteve contatos por e-mail com Emily Hilscher, uma de suas primeiras vítimas. Os investigadores também deverão quebrar o sigilo da jovem, que estava em seu dormitório durante a primeira investida de Cho. Após matar duas pessoas no local, Cho dirigiu-se para um edifício da faculdade de engenharia da universidade, local em que fez a maioria de suas vítimas. No intervalo de quase duas horas entre os dois ataques, o jovem sul-coreano enviou um manifesto multimídia pelo correio para a rede NBC. Os vídeos e fotos do assassino causaram grande impacto na comunidade da Virginia Tech, e repercutiram em todo o planeta.Segundo os especialistas em computação, quando a investigação se dá em torno de alguém solitário como Cho, computadores e telefones celulares são uma das melhores pistas para desvendar o crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.