Investigadores encontram caixas-pretas da Air India

Equipes de investigação encontraram hoje as caixas-pretas do Boeing 737-800 da Air India Express que caiu ontem numa encosta durante tentativa de pouso no aeroporto de Bajpe, no sul da Índia. Em seguida, a aeronave pegou fogo. O acidente deixou 158 pessoas mortas e 8 sobreviventes.

AE-AP, Agência Estado

23 Maio 2010 | 10h17

Os investigadores procuravam as caixas-pretas em meio aos destroços do Boeing, que estavam espalhados ao longo de uma encosta perto do aeroporto, situado a aproximadamente 30 quilômetros de Mangalore. A agência de notícias Press Trust of India afirmou que o equipamento foi encontrado em meio às ferragens.

O voo, que saíra de Dubai com destino a Mangalore, transportava 160 passageiros - todos indianos - e seis tripulantes, de acordo com a Air India. O piloto britânico de origem sérvia e o copiloto indiano morreram no acidente. O avião, segundo a companhia e as autoridades locais, ultrapassou a pista de pouso, que termina numa encosta, e caiu.

Dos 158 corpos, 87 já foram identificados. Havia quatro bebês e 19 outras crianças a bordo, segundo Harpreet Singh, outra porta-voz da Air India. Os oito sobreviventes ainda continuam hospitalizados.

A localização do aeroporto de Bajpe, um planalto cercado de colinas, dificultou a chegada dos bombeiros ao local do acidente, segundo as autoridades. Especialistas do setor de aviação afirmaram que a pista de Bajpe, que termina num vale, torna inevitável acidentes graves no caso de um avião não conseguir frear a tempo.

Voos baratos

A companhia realiza voos baratos para Dubai e outros destinos no Oriente Médio sob a bandeira Air India Express para atender a milhões de trabalhadores expatriados indianos empregados na região.

Este foi o pior acidente aéreo ocorrido na Índia desde novembro de 1996, quando um avião de passageiros saudita e um cargueiro do Casaquistão se chocaram no ar perto da capital Nova Délhi, matando 349 pessoas.

Mais conteúdo sobre:
Índia avião caixa-preta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.