Investigadores russos apuram fraude nas eleições

Investigadores da Rússia afirmaram hoje que abriram um inquérito para investigar possíveis violações nas eleições parlamentares realizadas no mês passado. Desde a votação, os russos estão realizando grandes protestos, o que representa um desafio para o primeiro-ministro Vladimir Putin, que pretende voltar para a presidência nas eleições de março.

AE, Agência Estado

21 de janeiro de 2012 | 14h58

O Comitê Investigativo da Rússia afirmou em comunicado que abriu 26 investigações criminais sobre possíveis violações durante as eleições de 4 de dezembro, incluindo cédulas falsas e compra de votos. Segundo o comitê, existem 350 relatos do público sobre irregularidades.

"Com base nas informações preliminares, os investigadores abriram 26 investigações criminais. As principais violações estão relacionadas a cédulas falsas, compra de votos e intimidação, entre outros", diz o comunicado.

O presidente da comissão eleitoral, Vladimir Churov, tem afirmado que vídeos amadores mostrando a violação de urnas eleitorais foram filmados em apartamentos privados decorados para se parecerem com cabines de votação.

O Comitê Investigativo afirmou que estão sendo investigadas fraudes em seis regiões, incluindo Moscou, e que "praticamente todos os partidos" estão envolvidos. Segundo o comunicado do grupo, um dos partidos teria dado 9 mil rublos para uma mulher, que depois começou a subornar eleitores, pagando 300 rublos para cada um. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiafraudeeleiçõesinvestigação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.