IPCA será divulgado hoje; meta de inflação poderá ser cumprida

Será divulgado no início da manhã de hoje o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de dezembro e o número fechado de 2005. Este é o índice usado pelo governo como referência para a meta de inflação. Este pode ser o segundo ano consecutivo em que o País conseguirá cumprir a meta de inflação, caso se confirme a expectativa dos analistas - resultado entre 5,65% e 5,73% e dezembro entre 0,32% e 0,42%, segundo analistas ouvidos pela Agência Estado. A meta de inflação é de 4,5%, com margem de variação de 2,5 pontos porcentuais para cima e para baixo.Ontem, os índices de inflação divulgados mostraram uma pressão de alta sobre os preços, apontando resultados acima do esperado. Este cenário de inflação mais forte trouxe dúvidas para os analistas que esperavam um corte mais forte de juros na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para a próxima semana. Esta expectativa tinha por base os dados fracos da produção industrial referente ao mesmo de novembro. De acordo com o coordenador-adjunto do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Juarez Rizzieri, o provável cumprimento da meta de inflação somado aos números baixos de crescimento da economia deixariam a situação do Copom mais tranqüila para decidir pelo corte mais expressivo da Selic, a taxa básica de juros da economia.A decisão ganharia ainda maior força em virtude de o Comitê do Banco Central passar, em 2006, a realizar apenas oito reuniões, em vez das 12 que vinham sendo feitas anualmente. Depois de janeiro, o próximo encontro do Copom acontecerá somente entre os dias 7 e 8 de março.Política de metasA política monetária do Banco Central toma por base o cumprimento da meta de inflação. Para controlar os preços, o governo usa as taxas de juros. Com juro mais alto, o consumo tende a diminuir, o que tira a pressão de alta sobre os preços, controlando a inflação. Contudo, a economia sofre com este cenário. O crédito para as empresas fica mais caro, o que dificulta o crescimento econômico. A renda das pessoas cai e os índices de desemprego aumentam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.