AP
AP

Irã aceita convite para diálogo internacional sobre futuro da Síria

Essa será a primeira vez que o Irã, o principal aliado regional do presidente sírio, Bashar Assad, comparecerá a uma reunião internacional sobre a guerra de quatro anos na Síria

O Estado de S. Paulo

28 Outubro 2015 | 14h42

DUBAI - O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, e três de seus vices vão participar de negociações multilaterais na sexta-feira em Viena com o objetivo de resolver o conflito na Síria, disse o ministério nesta quarta-feira, segunda agência de notícias iraniana.

Essa será a primeira vez que o Irã, o principal aliado regional do presidente sírio, Bashar Assad, comparecerá a uma reunião internacional sobre a guerra de quatro anos na Síria. Outros participantes, principalmente os Estados Unidos, dizem que Assad não pode ter qualquer papel no futuro da Síria.

"Os vice-ministros das Relações Internacionais Hossein Amir Abdollahian, Abbas Araqchi e Majid Takht Ravanchi vão acompanhar Zarif nesta viagem", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Marzieh Afkham, segundo a agência de notícias iraniana Isna.

Egito, Iraque, Líbano, União Europeia e França também disseram que vão participar das negociações de sexta-feira, que vão ocorrer uma semana depois de um encontro de menor escala sobre o tema entre Estados Unidos, Rússia, Arábia Saudita e Turquia.

Cerca de uma dúzia de participantes são esperados no total. Não ficou claro se foram feitos convites ao governo sírio ou à oposição, embora nenhum dos lados tenha participado da última reunião em Viena.

A Coalizão Nacional Síria, um grupo de oposição política com base na Turquia e apoiado pelas potências ocidentais, disse que a participação do Irã nas conversações iria minar o processo político.

O vice-presidente da Aliança Nacional Síria, Hisham Marwa, também criticou qualquer participação iraniana nas conversas. "Sobre o assunto do convite iraniano... a presença do Irã irá complicar as conversas de Viena porque (o país) virá com um projeto para preservar Assad", disse à TV Al-Arabiya, da Arábia Saudita, em uma entrevista na terça-feira.

"A intervenção russa bloqueia uma solução política e o envolvimento do Irã foi, e ainda é, capaz de obstruir uma solução política", acrescentou. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.