Irã acusa AIEA de repassar informações para os EUA

Ahmadinejad diz que é essa a razão pela qual não colabora com o órgão regulador da ONU

Agência Estado

11 de novembro de 2010 | 10h56

TEERÃ - O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, acusou nesta quinta-feira, 11, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) de vazar informações para os EUA. Segundo ele, é por essa razão que Teerã se recusa a permitir o acesso a qualquer momento de inspetores internacionais em suas instalações nucleares.

 

Veja também:

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

 

Ahmadinejad já fez acusações similares à AIEA no passado. Desta vez, porém, os comentários ocorrem semanas antes da aguardada retomada do diálogo das potências com o país persa sobre o controverso programa nuclear do país.

O líder iraniano também foi citado pela TV estatal do país afirmando que não aceitará o chamado Protocolo Adicional do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), pois isso colocaria as atividades nucleares do Irã sob supervisão da AIEA, uma agência da Organização das Nações Unidas (ONU). Segundo ele, isso seria inaceitável, pois a agência "dá informação para os EUA".

 

As potências ocidentais acusam o Irã de esconder, sob seu programa nuclear civil, outro de natureza clandestina e aplicações bélicas, cujo objetivo seria a aquisição de armas atômicas. Teerã nega tais alegações.

 

As tensões sobre o programa nuclear iraniano se acirraram no final do ano passado após o Irã rejeitar uma proposta de troca de urânio feita por EUA, Rússia e Reino Unido. Meses depois, o país começou a enriquecer urânio a 20%.

 

Um acordo mediado por Brasil e Turquia para troca de urânio chegou a ser assinado com o Irã em maio. O acordo, porém, foi rejeitado pelo Grupo de Viena - composto por Rússia, França, EUA e AIEA - e o Conselho de Segurança da ONU optou por impor uma quarta rodada de sanções ao país.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclearAmadinejadAIEAEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.