Irã acusa alpinistas americanos detidos de espionagem

O Ministério de Inteligência do Irã acusou os três montanhistas norte-americanos detidos no país desde julho, quando foram presos ao cruzar a fronteira a partir do Iraque, de ter ligações com os serviços de inteligência dos Estados Unidos. O canal de televisão iraniano em língua inglesa Press TV informou que o ministro da Inteligência, Heidar Moslehi, disse à emissora que Teerã tem "fortes evidências" de que os três têm ligações com a inteligência norte-americana. Ele não deu maiores detalhes, mas disse que as evidências serão reveladas em breve.

AE-AP, Agência Estado

08 de abril de 2010 | 18h00

As famílias dos norte-americanos detidos dizem que os três estavam caminhando pelo Curdistão, região norte do Iraque, e que cruzaram a fronteira sem intenção. Josh Fattal e Shane Bauer, ambos de 27 anos, e Sarah Shourd, de 31, estavam caminhando na região no dia 31 de julho. O Irã os acusou de espionagem e disse que pretende levá-los a julgamento.

O posicionamento do ministério endureceu as acusações do Irã contra o grupo, sugerindo que as autoridades podem estar perto de levar os três a julgamento. Essa medida pode ocorrer após meses de espera das famílias e temor nos Estados Unidos de que o grupo possa ser usado como moeda de troca no confronto do Irã com o Ocidente. Foi a primeira vez que um autoridade disse que o grupo tem ligação com a inteligência dos Estados Unidos. Moslehi também advertiu os países vizinhos sobre a cooperação com serviços de inteligência norte-americanos e israelenses.

Em Washington, o porta-voz do Departamento de Estado, P.J. Crowley, disse que não estava ciente de acusações específicas e simplesmente negou que o trio tenha algo a ver com a inteligência dos Estados Unidos. "Não é verdade", disse ele aos jornalistas, sem maiores explicações.

Apelos e acusações

O ministro de Relações Exteriores, Manouchehr Mottaki, disse em dezembro que aguarda um rápido julgamento para os três. O presidente Mahmoud Ahmadinejad questionou as intenções dos norte-americanos, mas disse que faria o melhor que pudesse sobre o caso.

Em novembro, porém, Ahmadinejad disse que os Estados Unidos mantêm vários cidadãos iranianos presos, elevando temores de que seu governo possa usar os norte-americanos num acordo. Os pais dos turistas e a secretária de Estado, Hillary Clinton, fizeram apelos pela libertação do grupo. Os familiares do trio disseram, em comunicado, que a acusação do governo iraniano é ridícula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.