Irã acusa EUA de armar grupos terroristas ativos no Iraque

Ali Khamenei afirma que EUA querem deteriorar as relações entre os dois países

Agencia Estado

27 Junho 2007 | 14h41

O líder Supremo iraniano, Ali Khamenei, acusou os Estados Unidos de fornecer armas a "alguns grupos terroristas no Iraque". Khamenei reafirmou seu apoio ao presidente iraquiano, Jalal Talabani, que continua nesta quarta-feira, 27, sua visita ao Irã. Khamenei também acusou os EUA e o Reino Unido de atuar contra os interesses do povo iraquiano. Ele afirmou que "a ocupação e a insegurança são os principais problemas do Iraque". O líder máximo iraniano fez as acusações durante a sua reunião de terça-feira à noite com Talabani. O presidente iraquiano chegou na terça-feira a Teerã para discutir com Khamenei e com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, a retomada do diálogo entre EUA e Irã, segundo a agência iraniana Irna. "Os opositores do atual governo iraquiano (controlado pelos xiitas), encabeçados pelos EUA e Reino Unido, estão na realidade contra os interesses do povo do Iraque", disse Khamenei. Ele denunciou que "infelizmente, alguns governos da região também atuam contra os interesses dos iraquianos". Além disso, opinou que "os americanos se opõem à cooperação entre Irã e Iraque e se esforçam para deteriorar as relações entre os dois países, mas é preciso resistir a esses esforços". Além disso, apontou os serviços de espionagem dos EUA, do "regime sionista" (Israel) e "de alguns de seus aliados" como "os principais fatores da insegurança no Iraque". Ahmadinejad, que assistiu à reunião entre Khamenei e Talabani, reafirmou que "o Irã está sempre disposto a ajudar de qualquer forma o governo iraquiano". Segurança do Iraque O subsecretário de Relações Exteriores iraniano, Mehmdi Mustafaui, citado pela agência Irna, disse que Talabani poderá tentar convencer as autoridades iranianas a elevar a categoria da representação do Irã nas conversas com os EUA sobre a segurança do Iraque. Este diálogo começou pelos embaixadores, dia 28 de maio, em Bagdá, e foi considerado o primeiro contato direto entre os dois países nos últimos 27 anos. O Irã exerce grande influência sobre a majoritária comunidade xiita do Iraque, e rejeita as acusações dos EUA e dos sunitas iraquianos de que fornece armas a grupos insurgentes. Talabani deverá falar com o líder da Assembléia Suprema da Revolução Islâmica (principal grupo político xiita do Iraque), Abdel Aziz al-Hakim. Ele sofre de câncer de pulmão e recebe tratamento em Teerã.

Mais conteúdo sobre:
Iraque Irã EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.