Irã acusa EUA de escolher 'caminho errado' no Oriente Médio

Chefe da diplomacia iraniana, Manouchehr Mottaki, criticou as declarações de Hillary Clinton

Efe,

16 de fevereiro de 2010 | 09h23

O ministro de Assuntos Exteriores do Irã, Manouchehr Mottaki, criticou duramente nesta terça-feira, 16, as recentes declarações que sua colega americana, Hillary Clinton, fez no Catar, e afirmou que Washington escolheu "um caminho errado no Oriente Médio".

 

Veja também:

link Hillary Clinton diz que Irã está se transformando em ditadura militar

 

"Os Estados Unidos adotaram uma aproximação equivocada para encontrar soluções no Oriente Médio e insistem nessas políticas equivocadas", afirmou.

 

Segundo o chefe da diplomacia iraniana, o problema está no fato de a Administração americana "ignorar a verdadeira realidade regional e se dedicar a fomentar a tensão e a insegurança na região".

 

"Sentimos que (Hillary) Clinton tentar encobrir a verdade com suas opiniões e as da Administração americana por meio de palavras, de uma retórica e de ações que levam a opinião pública rumo a questões equivocadas", destacou.

 

"Consideramos estes métodos uma nova forma de fraude", acrescentou Mottaki, cujas palavras foram reproduzidas nesta terça-feira pela agência de notícias Isna.

 

Em uma entrevista coletiva no Catar, a secretária de Estado americana afirmou ontem que o "Irã caminha em direção a uma ditadura". A declaração foi feita em meio à viagem que a diplomata faz por alguns países do Oriente Médio em busca de apoio à decisão dos EUA de impor novas sanções ao Irã por conta do programa nuclear deste país.

 

A esse respeito, Motakki ressaltou que o desconhecimento americano da realidade regional não se limita unicamente ao Irã.

 

"Infelizmente, as políticas americanas também fracassaram em Gaza, no Líbano e no Afeganistão. Além disso, a crise econômica obrigou os EUA a buscar outra imagem para suas políticas desvirtuadas, criando para isso crise no exterior na forma de guerras brandas contra países democráticos e independentes", concluiu o iraniano.

Tudo o que sabemos sobre:
IraEUAprograma nuclearHillary Clinton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.