Irã acusa EUA de forjar provas sobre programa nuclear

O Irã acusou os Estados Unidos de usar "documentos forjados" e de usar subterfúgios para formular suas acusações de que Teerã está tentando construir armas nucleares, segundo uma carta confidencial obtida pela agência Associated Press. A carta de oito páginas, escrita por Ali Asghar Soltanieh, enviado iraniano para a agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) em Viena, afirma que as acusações de Washington contra a república islâmica são "fabricadas, sem fundamentos e falsas". A carta não especifica quais documentos o Irã afirma serem forjados.

AE-AP, Agencia Estado

04 de setembro de 2009 | 19h36

"Ao interferir no trabalho da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e exercer pressões políticas, o governo dos Estados Unidos tentou prejudicar o espírito cooperativo entre a República Islâmica do Irã e a AIEA", diz a carta. "O governo dos Estados Unidos não entregou os documentos originais, porque não tem nenhum documento autenticado", disse Soltanieh.A carta também acusa a Grã-Bretanha e a França por "má vontade e motivação política" em suas negociações com o Irã.

O enviado iraniano mandou a carta para Mohamed ElBaradei, diretor AIEA, cujo conselho reúne 35 países e vai analisar o programa nuclear iraniano na próxima semana. O Irã afirma que suas atividades nucleares são pacíficas e tem o único objetivo de gerar eletricidade. Os EUA e seus aliados dizem que a república islâmica tenta fabricar uma bomba atômica. O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ian Kelly, não quis comentar as afirmações iranianas. "Continuamos esperando uma resposta significativa à oferta feita em abril" pelos cinco integrantes do Conselho de Segurança (Grã-Bretanha, China, França, Rússia e Estados Unidos) e pela Alemanha e "e à nossa oferta de compromisso", disse Kelly.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.