Irã admite morte de presos sob tortura

O governo do Irã admitiu neste sábado que pelo menos três pessoas presas durante os protestos que sucederam as eleições presidenciais de junho morreram em consequência de torturas.

Agencia Estado

19 de dezembro de 2009 | 17h29

Segundo comunicado divulgado hoje, 12 oficiais da penitenciária de Kahrizak foram indiciados e três, acusados de premeditar as mortes. A oposição afirma que 72 pessoas foram mortas após serem detidas. Teerã nega a acusação.

A inesperada admissão de que ocorreram mortes sob tortura segue-se a meses de persistentes negativas de autoridades locais de que teria havia morte de manifestantes por abusos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãeleiçõestortura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.