Ronald Zak/AP
Ronald Zak/AP

Irã adverte sobre efeitos de um embargo petrolífero

País é o segundo maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo

Efe,

13 de junho de 2012 | 17h21

VIENA - O Irã advertiu nesta quarta-feira, 13, sobre os efeitos desestabilizadores que o embargo previsto por parte da União Europeia (UE) ao petróleo iraniano pode causar ao mercado, uma vez que começam a aparecer sinais das influências das sanções à sua poderosa indústria petrolífera.

Veja também:

link China sofrerá sanção por comprar petróleo do Irã

link Táxis compartilhados dão o tom da revolução sexual no Irã

"A aplicação de sanções por parte da Europa pode prejudicar tanto a estabilidade do mercado petrolífero como a economia mundial", afirmou o ministro do Petróleo do Irã, Rostam Ghasemi, durante um seminário internacional sobre energia realizado em Viena. A UE aprovou em janeiro novas sanções petrolíferas e financeiras ao Irã, entre as quais destaca-se um embargo total ao petróleo iraniano a partir de 1º de julho, como medida de pressão para que suspenda seu controvertido programa nuclear.

Uma "intervenção política" na produção de petróleo pode "distorcer" o abastecimento mundial, com a possibilidade de aumento de preços e volatilidade devido ao aumento da demanda na Ásia, ressaltou o dirigente iraniano. As sanções darão assim lugar a "um mercado petroleiro instável e, em última instância, podem levar a mudanças bruscas no preço do petróleo", advertiu Ghasemi.

O Irã é o segundo maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e já foi submetido a quatro rodadas de sanções econômicas e diplomáticas pelo Conselho de Segurança da ONU, perante sua recusa a suspender as atividades mais polêmicas de seu programa nuclear, que os países ocidentais suspeitam terem também fins militares.

"As sanções unilaterais, como meio de alcançar objetivos políticos, podem significar restrições à indústria petrolífera", recalcou o político iraniano. Ao mesmo tempo em que Teerã alertava quanto aos efeitos negativos de um movimento dessa natureza sobre a economia europeia em momento de incerteza, o relatório mensal da Agência Internacional da Energia (AIE) ressaltou hoje que as exportações iranianas já estão sofrendo os efeitos do embargo.

O organismo internacional assegurou, utilizando fontes secundárias, que as exportações do país caíram 40% desde o início do ano, até cerca de 1,5 milhão de barris diários (mb/d), enquanto sua produção era de 3,3 mb/d. "O Irã pode precisar reduzir seu volume de produção se os mercados de exportação seguirem com limitações", sustentou a AIE em seu relatório.

Parte da corrida de alta dos "petropreços" no primeiro trimestre do ano se deveu ao endurecimento das sanções ao Irã, o que situou o petróleo tipo Brent em cerca de US$ 130 em março. Desde então, as cotações do petróleo caíram cerca de 29%, devido à incerteza econômica mundial e porque a Arábia Saudita, rival regional do Irã, vem extraindo o "ouro negro" a níveis recordes de aproximadamente 10 mb/d, o que compensou a queda do volume de petróleo iraniano.

A própria Opep, em seu relatório mensal publicado ontem, situava a produção total iraniana de maio em 3,7 mb/d, cerca de 650 mil barris diários a menos que em janeiro.

Perguntado sobre os efeitos do embargo, o ministro iraniano assegurou hoje que não eram "significativos". Por sua vez, o comissário europeu de Energia, Günther Oettinger, ressaltou que a UE não tem qualquer intenção de adiar ou cancelar as sanções. "Temos uma posição muito clara a respeito, vamos começar o embargo petrolífero no dia 1º de julho", declarou no seminário organizado pela Opep em Viena.

O Irã recebeu nesta quarta o apoio do secretário-geral da Opep, Abdullah Salem El-Badri, que criticou o embargo e convocou os países da organização a buscarem uma solução dialogada à situação.

O ministro da Energia e Petróleo da Venezuela, Rafael Ramírez, também rejeitou o embargo "de maneira muito contundente". "Estamos contra qualquer tipo de sanção - neste caso, de um país membro da Opep. Um país fundador da Opep. A União Europeia não pode promover o diálogo com os produtores, se com a outra mão impõe sanções contra um país", declarou Ramírez aos jornalistas.

"As sanções não são boas para ninguém, restringem o acesso a recursos petrolíferos que estão ali. E o que fazem é complicar a situação em um momento econômico muito perigoso para a UE", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.