Presidência Iraniana/AFP
Presidência Iraniana/AFP

EUA 'lamentarão' se decidirem sair do acordo nuclear com o Irã, adverte Rohani

'Estamos muito mais preparados do que pensam e, se violarem o acordo, em uma semana, em menos de uma semana, verão o resultado', disse o líder iraniano em Teerã

O Estado de S.Paulo

09 Abril 2018 | 05h22
Atualizado 09 Abril 2018 | 08h25

TEERÃ - O presidente iraniano, Hassan Rohani, afirmou que o governo dos EUA "lamentará" se decidir sair do acordo nuclear com o Irã, como ameaça ao presidente Donald Trump.

+ Artigo: Arte de Trump não funciona em política externa

+ Análise: Nova equipe de Trump aumenta chances de uma nova guerra

"Não seremos os primeiros a violar o acordo, mas (Washington) deve saber imperativamente que lamentará se violar", disse Rohani durante um evento do Dia Nacional da Tecnologia Nuclear, em Teerã. "Estamos muito mais preparados do que pensam e, se violarem o acordo, em uma semana, em menos de uma semana, verão o resultado.”

+ Os EUA, entre Coreia e Irã

+ Trump põe um linha-dura contrário ao pacto com Irã para chefiar diplomacia

Se Washington "se retirar (do acordo), isto significará que não tem palavra. Prejudicaria sua reputação e dignidade no cenário internacional", declarou o presidente iraniano.

O acordo nuclear foi assinado em julho de 2015 entre a República Islâmica do Irã e o Grupo dos Seis (Alemanha, China, EUA, França, Reino Unido e Rússia), e deve evitar que Teerã adquira uma bomba atômica. Contudo, Trump considera que não inclui garantias suficientes para a segurança internacional.

Relembre: Irã não respeitou ‘espírito’ do acordo nuclear

Trump ameaçou em janeiro retirar o país do acordo no dia 12 maio, prazo do ultimato apresentado aos países europeus para endurecer o texto. Caso o governo americano se retire do pacto, Washington deve voltar a impor sanções econômicas ao Irã, atualmente suspensas. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.