Irã adverte UE sobre 'medidas ilegítimas' contra o país

A emissora estatal de televisão do Irã disse que o governo do país advertiu a União Europeia sobre a tomada de "medias ilegítimas" que podem ter "repercussões" nas perspectivas de negociações nucleares entre Teerã e o Ocidente.

AE, Agência Estado

28 de junho de 2012 | 16h19

Segundo as informações divulgadas nesta quinta-feira, o principal negociador nuclear, Saeed Jalili, fez a advertência em carta enviada a Catherine Ashton, a chefe da diplomacia da UE.

Ele disse que "advertiu o Ocidente sobre as repercussões de se tomar ações que estão muito longe da lógica das conversações e do uso de métodos ilegais contra a nação iraniana."

A carta é vista como um reflexo das preocupações iranianas sobre a proibição imposta pela UE para a compra de petróleo iraniano, que passa a valer em 1º de julho.

Na carta, Jalili disse que o Ocidente deve trabalhar na construção de confiança em vez de impor "medidas ilegítimas" que podem prejudicar as negociações.

O Ocidente suspeita que o Irã tem como alvo a produção de armas nucleares, mas o Irã afirma que o objetivo do programa é pacífico. Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) - China, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos - mais a Alemanha já impuseram três rodadas de sanções ao Irã por causa da questão.

Estados Unidos

O governo Barack Obama isentou a China e Cingapura de sanções por compra de petróleo do Irã, horas antes do início da imposição de sanções sobre os bancos desses países. A media impede que os bancos chineses e cingapurianos sejam excluídos do sistema bancário norte-americano.

A secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton disse em comunicado que China e Cingapura "reduziram significativamente" suas compras de petróleo do Irã e entram no grupo de economias isentas de sanções determinadas pela lei dos Estados Unidos.

O prazo para que os países parem de comprar petróleo iraniano se encerrou nesta quinta-feira. Dezessete países já foram isentados pelos Estados Unidos e poderão continuar a comprar petróleo do Irã.

Autoridades norte-americanas disseram que as exportações de petróleo do Irã caíram para menos de 1,8 milhão de barris por dia, ante vendas diárias de 2,5 milhões de barris no ano passado, o que atinge a principal fonte de renda do regime iraniano. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
IrãnuclearsançõesUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.