Kamran Jebreili/AP
Kamran Jebreili/AP

Irã afirma que não planeja fechar o Estreito de Ormuz

Mensagem é vista como esforço para assegurar que país não vai prejudicar abastecimento mundial

AE, Agência Estado

23 de julho de 2012 | 10h57

TEERÃ - A Marinha iraniana disse nesta segunda-feira, 23, que as forças do país têm total controle do estratégico Estreito de Ormuz, no Golfo Pérsico, mas que não planejam fechá-lo. Pela região passa um quinto de todo o petróleo do mundo.

Veja também:

linkIrã resiste à queda nas vendas de petróleo com compras da China

linkAhmadinejad diz que sanções iniciam 'batalha' contra Irã

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Os comentários foram feitos pelo Almirante Ali Reza Tangsiri, comandante das forças navais da Guarda Revolucionária. "Os inimigos regularmente dizem que o Irã quer fechar o Estreito de Ormuz. Mas nós afirmamos que não é sábio obstruir o estreito quando o Irã está utilizando-o", disse Tangsiri para a agência de notícias oficial do governo, a IRNA. A declaração parece ter sido feita para reforçar as afirmações de domínio militar iraniano sob Ormuz, em meio ao incremento da presença da Marinha dos Estados Unidos na região.

A mensagem de Tangsiri também é vista como um esforço para assegurar o mercado internacional de petróleo de que o Irã, que antes das recentes sanções era segundo maior produtor da Opep (Organização de Países Exportadores de Petróleo), não vai prejudicar o abastecimento mundial. Os preços do petróleo estão sendo influenciados por preocupações de que Teerã poderia interromper o tráfego de petroleiros em retaliação às sanções impostas contra seu programa nuclear.

O Irã vem ameaçando fechar Ormuz há meses, mas subiu o tom após o boicote ao petróleo iraniano decidido pela União Europeia neste mês. A medida diminuiu bastante as vendas de petróleo do pais.

Na semana passada, um grupo de políticos defendeu propostas que forçariam o governo a fechar Ormuz. Até agora, o Parlamento iraniano não tomou qualquer medida em relação à questão, e não está claro se os deputados poderiam forçar uma ação militar na região, que é controlada em conjunto com Omã.

As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
IrãOrmuzpetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.