Irã, agora, nega 'iminente' libertação de americanos

CORRESPONDENTE / NOVA YORK

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2011 | 00h00

Contrariando as informações do presidente Mahmoud Ahmadinejad, a Justiça do Irã disse ontem que os dois alpinistas americanos presos no país não serão libertados nos próximos dias.

"Os dois americanos ficarão na prisão mais tempo. Relatos de que a libertação deles é iminente são incorretos", disse o comunicado judicial divulgado numa TV estatal de Teerã, ao se referir a Shane Bauer e Josh Fattal.

Em entrevista à rede de TV NBC, Ahmadinejad tinha dito que eles seriam soltos em "dois dias". O advogado iraniano dos americanos garante que a libertação pode ocorrer e a CNN informou que um avião teria sido enviado ao Irã para buscá-los.

Segundo analistas, o desmentido é mais um episódio da luta pelo poder entre o presidente e o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei. A relação entre os dois está estremecida desde o início do ano e figuras próximas a Ahmadinejad foram presas ou afastadas.

Os alpinistas foram presos em 2009 ao cruzar a fronteira do Iraque com o Irã durante uma caminhada. Segundo Teerã, eles são espiões. Sarah Shroud, que estava com eles, foi libertada em 2010 após o pagamento de US$ 500 mil de fiança e uma ajuda do Brasil na negociação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.