Irã: AIEA quer acesso a base militar suspeita em Teerã

Nas negociações de hoje, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) vai exortar o Irã a permitir o acesso aos locais onde Teerã é suspeita de trabalhar em uma bomba atômica, em particular em uma base militar perto da capital. Potências ocidentais e Israel suspeitam que o Irã está tentando desenvolver uma bomba por trás de seu programa nuclear civil. A acusação é negada por Teerã, que diz que está desenvolvendo energia atômica civil e fazendo isótopos médicos.

Agência Estado

08 de junho de 2012 | 03h40

A agência nuclear da ONU está especialmente interessada no acesso à base militar de Parchin, próxima a Teerã, onde acredita que testes de explosivos suspeitos foram realizados. A AIEA disse que novas imagens de satélite indicam "atividades extensas" na base, o que alguns especialistas veem como sinais de uma limpeza.

Nas conversações de hoje, em Viena, o inspetor chefe da AIEA, Herman Nackaerts, e o vice-diretor geral, Rafael Grossi, irão se encontrar com o embaixador do Irã para a agência, Ali Asghar Soltanieh. O diretor da agência, Yukiya Amano, visitou o Irã no mês passado, depois de conversas promissoras em Viena, e disse mais tarde que os dois lados estavam perto de um acordo.

Amano acrescentou que esta semana as diferenças "tinham diminuído". Porém, afirmou que "se não tivermos acesso à base de Parchin ou a outras pessoas, informações e sites, então não poderemos dar garantias de que todas as atividades no Irã tenham fins pacíficos". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAIEAbombaatômica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.