Irã ajuda extremistas no norte do Iraque, diz filho de Saddam

O filho mais velho do presidente do Iraque Saddam Hussein acusou o Irã de colaborar com grupos militantes islâmicos na zona curda do norte do Iraque. O Irã não se pronunciou a respeito. Odai Hussein, filho de Saddam, afirmou que o grupo Jund al-Islam (Soldados do Islã) não tem nenhuma ligação com a organização al-Qaeda, liderada pelo milionário saudita Osama bin Laden. A declaração de Odai foi feita durante entrevista ao canal de televisão do qual é dono. Aparentemente, a declaração é uma resposta aos Estados Unidos. O secretário de Defesa norte-americano, Donald H. Rumsfeld, disse na semana passada que membros da Al-Qaeda estavam no Iraque. "Isso é uma mentira. É uma tentativa de justificar sua presença (dos EUA) ilegal em nosso país", afirmou o vice-presidente do Iraque, Taha Yassin Ramadan, ao jornal Al-Itihad. Na Alemanha, a polícia confirmou hoje ter prendido dois homens suspeitos de serem cúmplices dos dissidentes iraquianos que invadiram a Embaixada do Iraque em Berlim na terça-feira. De acordo com um jornal local, os dois seriam cidadãos iraquianos. As autoridades alemãs não confirmaram essa informação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.