Irã ajuda Taleban e Al-Qaeda, diz secretário dos EUA

O secretário de Defesa dos EUA, Donald H. Rumsfeld, acusou hoje o Irã de ter permitido que alguns membros do Taleban e da Al-Qaeda escapassem do Afeganistão. "Não tenho nenhuma dúvida de que a porosa fronteira entre o Irã e o Afeganistão foi usada pela Al-Qaeda e pelo Taleban para entrarem no Irã e encontrar refúgio", disse. Rumsfeld também afirmou que os Estados Unidos "têm várias notícias" dando conta que o Irã está contribuindo para a instabilidade dentro do Afeganistão ao armar facções afegãs. O presidente dos EUA, George W. Bush, classificou na semana passada o Irã, Iraque e Coréia do Norte de integrarem países que compõem um "eixo do mal", que pode oferecer a grupos terroristas armas químicas, biológicas e nucleares. O secretário de Estado Colin Powell afirmou que o Irã ajudou a organizar conferências internacionais para se criar um governo interino afegão e oferecer ajudar internacional para reconstruir o país. Mas Powell disse que elementos iranianos estão tentando ganhar "influência indevida" no oeste do Afeganistão e afirmou que o Irã continua trabalhando para aprimorar seus mísseis balísticos e busca capacidade de produção de armas nucleares. Autoridades do Irã negam tudoAutoridades iranianas têm denunciado os comentários de Bush e negam ter dado qualquer ajuda ao Taleban ou à rede terrorista Al-Qaeda, de Osama bin Laden. O governo do Irã se opunha ao regime Taleban no vizinho Afeganistão desde antes de seu colapso no final do ano passado. "Nós nos odiamos e nunca tivemos nada em comum", afirmou na sexta-feira o chefe do poderoso Conselho dos Guardiães, aiatolá Ahmad Jannati. Isso ocorria em parte porque até os ataques de 11 de setembro, o regime Taleban era apoiado pelo Paquistão, um rival regional do Irã. O Paquistão apoiou fortemente o esforço de guerra dos EUA no Afeganistão, e Rumsfeld disse hoje que o Irã deveria ter tomado uma posição semelhante. "Os iranianos não fizeram o que o governo do Paquistão fez - colocar tropas ao longo da fronteira para evitar que terroristas escapassem do Afeganistão para seu país", afirmou Rumsfeld, reconhecendo que alguns terroristas podem ter se infiltrado no Paquistão apesar dos bloqueios. Perguntado se os EUA planejavam dar uma resposta à ação do Irã Rumsfeld respondeu: "Não anunciamos coisas que vamos fazer antes de fazê-las". Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.