Irã alerta contra envio de armas aos rebeldes sírios

O Irã alertou neste domingo contra o envio de armas aos rebeldes sírios, dizendo que isso deve ameaçar a estabilidade regional e aumentar o risco de terrorismo. "Alguns países consideram armar a oposição com artilharia pesada", afirmou Ali Akbar Salehi, ministro de Relações Exteriores do Irã, em um discurso de abertura do diálogo inter-sírio em Teerã. "Na realidade, eles buscam legitimar publicamente o que tem sido feito em segredo", afirmou ele, sem especificar qualquer país.

AE, Agência Estado

18 de novembro de 2012 | 16h04

Amanhã, ministros de Relações Exteriores da União Europeia (UE) se reunirão em Bruxelas para discutir a adoção de um rígido embargo às entregas de armas para Síria. A França se posicionou a favor do envio de armamentos de defesa para a oposição síria.

Para Salehi, contudo, isso abriria um perigoso precedente e constituiria uma clara interferência nas relações da Síria. "Isso vai disseminar insegurança, o risco de terrorismo e violência organizada em toda a região", declarou o ministro iraniano.

O regime de Bashar al-Assad e seus principais aliados - Irã e Rússia - acusam alguns países árabes e ocidentais de terem secretamente fornecido armas aos rebeldes sírios durante meses.

A Coalizão Nacional, oposição síria reconhecida por França, Turquia e nações do Golfo Pérsico, pediu por armamentos para derrubar o presidente e acelerar o fim de um conflito que já matou mais de 39 mil pessoas desde meados de março de 2011.

A Rússia alertou que o envio de armas para a coalizão seria uma "grave violação" da lei internacional. Em mensagem direcionada à reunião em Teerã, o ministro de Relações Exteriores, Sergei Lavrov, disse que seu país e o Irã "compartilham uma mesma posição sobre a crise na Síria", informou a agência de notícias Irna. Ele também advertiu contra o risco de as armas acabarem nas mãos da "al-Qaeda" e de outros grupos extremistas.

Nenhum representante da oposição síria participou do encontro em Teerã. A coalizão rejeita o diálogo, enquanto al-Assad estiver no poder. A mídia iraniano informou que a reunião contou com mais de 200 representantes do governo da Síria e outros diferentes grupos políticos, étnicos e religiosos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãalertaSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.