Irã alerta EUA que reagirá por invasão de espaço aéreo

O Irã alertou neste domingo (11) que irá reagir fortemente contra qualquer invasão dos Estados Unidos em seu espaço aéreo, informou a agência de notícias ISNA. O anúncio foi feito dez dias após dois caças de guerra iranianos dispararem contra um avião não tripulado norte-americano.

AE, Agência Estado

11 de novembro de 2012 | 15h05

"Sim, nós abrimos fogo e foi com tiros de advertência. Se eles fizerem isso de novo, eles podem esperar uma resposta ainda mais forte", disse o general Amir Ali-Hadjizadeh, comandante das forças aéreas dos Guardas Revolucionários, segundo a agência.

O incidente com o avião não tripulado norte-americano ocorreu no dia 1º de novembro, menos de uma semana antes da eleição presidencial dos Estados Unidos, mas o Pentágono não se pronunciou até que os relatórios do confronto vazaram.

Na quinta-feira (8), o porta-voz do Pentágono, George Little, disse que os caças iranianos Su-25 "Frogfoot" dispararam contra o avião não tripulado norte-americano Predator, mas não conseguiram atingi-lo. "Eles interceptaram a aeronave e atiraram várias rodadas", disse.

Little afirmou ainda que o avião norte-americano "nunca entrou no espaço aéreo iraniano" e ficou sob fogo dos aviões de combate ao largo da costa iraniana sobre águas internacionais. Em um aviso a Teerã, o porta-voz do Pentágono disse que os Estados Unidos estavam preparados para salvaguardar as suas forças.

"Temos uma ampla gama de opções, de diplomáticas a militares, para proteger os nossos bens e nossas forças militares na região e vamos fazê-lo quando necessário", disse Little.

Na sexta-feira (9), o ministro da Defesa iraniano, Ahmad Vahidi, confirmou o incidente, dizendo que o avião tinha "entrado no espaço sobre o território marítimo da República Islâmica, na zona do Golfo Pérsico".

Neste domingo Hadjizadeh teria dito que o "robô espião entrou no espaço aéreo iraniano e foi obrigado a fugir por causa da reação imediata dos combatentes da Guarda Revolucionária". Ele acrescentou que o avião não tripulado norte-americano esteve "sobrevoando a ilha Kharg para coletar informações sobre a atividade econômica na ilha e sobre chegada e saída de navios petroleiros."

A ilha Kharg, a 25 quilômetros do continente, é o principal terminal de exportação do petróleo produzido no Irã.

Os Estados Unidos e a Europa impuseram sanções econômicas contra o Irã por seu controverso programa nuclear, que as potências ocidentais e Israel acreditam ter por objetivo a produção de armas atômicas. Teerã nega a acusação, afirmando que o programa de enriquecimento de urânio é inteiramente pacífico e voltado para fins energéticos e medicinais. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IráEUAespaço aéreoinvasão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.